PMs de Campos passam sufoco antes de chegarem ao Rio

160

Com 77 homicídios registrados nos quatro primeiros meses deste ano e enfrentando uma onda de assaltos, Campos e região perderam 77 policiais militares, enviados para ampliar a segurança em São Gonçalo e na Região Metropolitana do Rio de Janeiro. O deslocamento de 40 policiais do 8º Batalhão de Polícia Militar (BPM) foi feito na manhã desta quinta-feira, porém a viagem que estava prevista para ocorrer de madrugada atrasou e os militares tiveram que dormir em más condições no 6º Comando de Policiamento de Área (CPA), conforme foi denunciado pelo vereador e policial licenciado, Alonsimar de Oliveira (PTC), em uma rede social através de vídeos e fotos. Eles teriam sido alojados no auditório da unidade, em cadeiras. Outra reclamação foi o estado do veículo que os conduziu até o destino.

Sob a nuvem de insatisfação que pairou no município desde o anúncio dessa notícia, autoridades de segurança, das esferas municipal, estadual e federal, se reuniram, nesta quinta, na Câmara de Vereadores para uma audiência pública, convocada pelo vereador Cláudio Andrade (PSDC), a fim de discutirem formas de ampliar a sensação de segurança. Duas horas antes do início da sessão, uma casa lotérica no centro de Campos era assaltada em cerca de R$ 20 mil.
Segundo o chefe interino do Estado Maior, no 6º CPA, major Fábio Campos, a unidade não dispõe de alojamentos para pernoite de agentes e as denúncias serão apuradas, cabendo possíveis punições através do regimento interno da Polícia Militar. “Isso vai ser apurado, essa falta de compostura por parte dos policiais militares. Nosso regulamento prevê a compostura na execução do nosso serviço e naquele horário, os policiais já estavam em serviço”, disse o major Campos, que revelou ainda ter pessoalmente revistado o micro-ônibus que levou os agentes ao Batalhão de Alcântara, em São Gonçalo.
Vice-presidente da Comissão de Segurança da Alerj, o deputado estadual Bruno Dauaire (PR), que também participou da audiência na Câmara, comentou a repercussão das fotos e disse que não desistiu de reverter a decisão de conceder agente, pelo comando da PM no Rio: “O que a gente viu hoje foi uma cena degradante. Nós não estamos no momento de liberar qualquer tipo de agente de segurança para atuar na capital”.
Assalto – Uma lotérica foi assaltada na tarde desta quinta-feira, na avenida José Alves de Azevedo, no Centro. Segundo a Polícia, os suspeitos chegaram em uma moto vermelha e anunciaram o assalto.
  • PMs de Campos passam sufoco no 6º CPA