Policial Militar de Novo Hamburgo é morto com facada no peito em Campina das Missões

680
Bruno Engroff era policial militar e trabalhava em Novo Hamburgo; ele estava de folga e tinha ido a Campina das Missões para visitar a mãe

De folga, soldado foi intervir em desordem e acabou sendo atingido no peito por uma mulher

Silvio Milani JORNAL NH

O soldado Bruno Scholl Engroff, 24 anos, do 3º Batalhão de Polícia Militar (BPM) de Novo Hamburgo, foi morto com uma facada no peito no fim da tarde deste domingo (28) em Campina das Missões, na região Noroeste do Estado. Conforme a corporação, ao intervir em desordem provocada por uma mulher em um bar, ele acabou sendo surpreendido pela suspeita, que já tinha antecedentes criminais. Engroff foi socorrido ao Hospital de Santa Rosa, onde chegou já sem vida. A mulher foi presa.

De folga, o soldado estava na cidade da família. No bar, na companhia do pai e de um tio, por volta das 18 horas, pediu para a mulher se retirar, pois ela estava perturbando o ambiente. O dono do estabelecimento também já tinha dito para a criminosa sair. Ela tinha chegado com outro homem, ambos bêbados, e exigia cachaça. Quando já era colocada para fora, repentinamente puxou uma faca e acertou o policial.

Indiciada tinha saído do presídio há poucos dias

Identificada como Marildes Sanguine Scheeren, 39 anos, foi autuada em flagrante por homicídio na Delegacia de Polícia de Pronto Atendimento (DPPA) de Santa Rosa. De acordo com a Polícia, fazia pouco tempo que ela havia saído do presídio e tinha vasto histórico de ocorrências de lesão corporal, ameaça e desobediência, entre outras.

“É uma grande perda”, lamenta comandante

Engroff estava há cinco anos na corporação e atuava no Pelotão de Operações Especiais de Novo Hamburgo. Também era salva-vidas na Operação Golfinho. “Apesar de pouco tempo na Brigada Militar, estava se destacando. Era muito operacional. Talvez por isso, de folga, tenha se envolvido nessa fatalidade. Viu uma situação e não se omitiu em agir”, declarou o comandante do 3º BPM, tenente-coronel Márcio Uberti Moreira. Abalado, o oficial disse que a corporação está consternada. “É uma grande perda não só para o 3º BPM, como também para toda a Brigada Militar. Excelente pessoa e profissional. Nesse momento, o que podemos fazer é dar apoio à família.”