Resgate de casal em praia de SC tem goleiro do Inter, garrafas em mochila e heroísmo de PM

262

Capitão do Batalhão de Choque salva mulher e homem de afogamento durante duas horas e meia de muita tensão: “A maior batalha que já enfrentei”

Por Bernardo Pombo, Rio de Janeiro

goleiro Marcelo Lomba, do Inter, participou de um resgate de contornos muito tensos, mas com final feliz na tarde de terça-feira, na Guarda do Embaú, no município da Palhoça, litoral de Santa Catarina. Depois de pular na água e conseguir segurar o homem identificado como Roger Granella, Lomba acabou levado pela correnteza às pedras, onde se agarrou em meio às fortes ondas. Roger foi levado pelo mar e só não morreu porque o policial militar do Batalhão de Choque de Santa Catarina Victor Bomfim estava de folga na praia e, depois de salvar primeiro a mulher – Pamela Machado Oliveira -, foi atrás do homem.

Vítima já sendo resgatada na areia: de sunga preta, o policial Victor Bonfim, herói do dia (Foto: Divulgação/Corpo de Bombeiros)

Vítima já sendo resgatada na areia: de sunga preta, o policial Victor Bonfim, herói do dia (Foto: Divulgação/Corpo de Bombeiros)

Victor colocou garrafas pet e um cooler dentro da mochila, improvisando uma boia salva-vidas, encarou o mar e ficou lá com o banhista por duas horas e meia até a chegada de um jet ski de um morador. (Confira nas imagens abaixo, do Instagram do policial)

A heróica atitude do policial ganha contornos ainda mais impressionantes porque nem salva-vidas que chegaram depois conseguiram retirar a vítima da água, tamanha a fúria do mar.

– Estou me recuperando do susto ainda. Sem dúvida a maior batalha que já enfrentei. A gente estava brincando na areia, o Marcelo (Lomba, goleiro do Inter) com os filhos, não o conhecia pessoalmente. Foi quando a menina começou a gritar, sugada pela correnteza. Dizia “socorro”, “eu vou morrer”. Não havia salva-vidas na praia. Não dava para ver direito, eu entrei na água no braço mesmo, consegui vencer a arrebentação e resgatá-la. Quando cheguei na areia estava muito cansado. Foi quando ela começou a gritar “meu namorado, meu namorado”.

 

O goleiro do Inter também entrou no mar e conseguiu chegar até Roger Granella. Ele o segurou, mas a forte correnteza os separou. Lomba agarrou as pedras, teve alguns cortes, enquanto o policial, na areia, colocava garrafas dentro de uma mochila.

– Corri na mochila, tirei tudo e coloquei duas garrafas pet e um cooler. Se eu fosse pela arrebentação, não conseguiria chegar. Então decidi ir pelas pedras. O Marcelo e um amigo meu foram me orientando porque era difícil até enxergar onde estava o rapaz. Parecia que eu nadava perdido. Consegui chegar na vítima e levá-lo até as pedras, e nisso já estava nadando havia uns 30 minutos. Só que o rapaz, que tem 130 quilos, já estava sem força nenhuma. Subi para tentar puxá-lo, mas ele não aguentou e caiu de novo na água, soltando a mochila.

O policial, então, foi de novo à água.

– Entrei no mar novamente, busquei a mochila e fui até a vítima. O levei para o fundo, longe da arrebentação. Depois de uns 40 minutos lá chegaram um surfista e três salva-vidas. Mas mesmo em cinco não conseguíamos tirar ele do mar. Estava vomitando e sem força nenhuma. Um dos salva-vidas começou a ter cãimbra. Outro voltou para pedir apoio. Ficamos duas horas na água e conseguiram acionar um jet ski de um morador, quando finalmente conseguimos levá-lo para a areia.

O policial, que também é mergulhador, paraquedista e escalador, usou os seus conhecimentos do mar como bodyboarder (confira na foto abaixo o policial em ação em ondas ) para a maior vitória da vida.

– Vitória sobre a morte é a nossa glória – escreveu.

Marcelo Lomba, já de férias após acesso do Inter à Série A, não poupou elogios ao policial.

– Queria homenagear o capitão Bomfim, porque ontem eu estava na Guarda do Embaú com minha família, resolvi ir numa praia reservada, onde só estavam minha família, o capitão Bomfim com um amigo e de repente um casal chegou, que acabou se afogando. Ainda mais hoje numa sociedade com tantos casos que nos deixam tristes sobre as pessoas que servem a comunidade, pude ver a atitude heroica do capitão Bomfim, que entrou na água e conseguiu salvar as duas pessoas num mar agitado, com muita correnteza. Eu tentei participar e quase fui levado. A gente tem que engrandecer e homenagear o capitão Bomfim pela atitude heroica que ele teve.

Vítimas passam bem

Segundo o Corpo de Bombeiros, as vítimas foram encaminhadas ao Hospital Regional de São José e passam bem. Pâmela Machado Oliveira, moradora de Porto Alegre, agradeceu o policial em comentário postado no Instagram.

“Ontem de fato será um dia que eu e meu marido @rogergranella iremos lembrar para sempre, é de coração que agradecemos ao Capitão Bonfim @caveira12 pela coragem e esperteza a qual nos socorreu sem recursos suficientes para tal ato. É sim um herói. Seremos gratos eternamente”

Pâmela, que mora em Porto Alegre- RS, ainda deu alguns detalhes sobre o acontecido com ela e o namorado, natural de Sapucaia do Sul-RS.

“Já aos desavisados e pessoas que tiram conclusões sem saber do acontecido. 01: Estávamos com água pelo joelho e foi em questão de segundos que estávamos bem e do nada o repuxo nos levou. 02: NÃO ESTÁVAMOS BÊBADOS E NÃO FOMOS IRRESPONSÁVEIS. Isso pode acontecer com qualquer pessoa, mas aconteceu conosco. 03: Apesar de ser gordo, sedentário e não ter preparo físico, ele aguentou muito bem 2h no mar”.

Segundo nota dos bombeiros, não havia salva-vidas “pelo fato da praia ser praticamente deserta”.