Falta de efetivo faz policial percorrer 73 quilômetros para atender a acidente com morte

212

Batalhão Rodoviário afirma que policial de Taquari não levou 40 minutos para chegar ao local do acidente. Um motociclista morreu na colisão, que aconteceu na Rota do Sol

Bombeiros Voluntários de Garibaldi precisaram orientar o trânsito até a chegada do policial de TaquariAltamir Oliveira / Divulgação

GAUCHAZH

acidente que matou um motociclista na RS-453, próximo ao trevo de acesso a Boa Vista do Sul, expôs mais uma vez as dificuldades causadas pela falta de efetivo policial no Rio Grande do Sul. O atendimento foi feito por apenas um policial rodoviário do Grupo de Taquari, que fica distante 73 quilômetros do local do acidente.

A colisão fatal aconteceu às 15h deste sábado (29). Os pelotões mais próximos, como os de Teutônia (24km de distância), Encantado (44km) e Cruzeiro do Sul (51km), não possuíam servidores suficientes para o atendimento. Como o boletim de ocorrência precisou ser feito na Polícia Civil deBento Gonçalves, o policial rodoviário precisava percorrer mais de 214 quilômetros (entre ida e volta). Ele não havia retornado a Taquari até as 20h30min.

— Foi só um policial para atender porque trabalhamos com o efetivo mínimo. (Nos pelotões de Teutônia, Cruzeiro e Encantado) não tinha efetivo de plantão para atendimento, porque há apenas um policial que é o que fica no posto policial . Infelizmente, não é uma situação de final de semana, mas algo que enfrentamos diariamente — relata o sargento Jocemar.

A colisão no km 77 da RS-453 aconteceu pouco depois da divisa de cobertura entre o 2º e o 3º Batalhão Rodoviário da Brigada Militar (BRBM). O 3º BRBM é responsável pelos atendimento na Serra, Região Metropolitana e o Litoral e possui seu posto mais próximo em Farroupilha (a 40km de Boa Vista do Sul). Contudo, o atendimento foi procurado entre as equipes do 2º BRBM, que responde pela metade do Sul do Estado.

— O Grupo de Taquari é o que tinha mais efetivo no momento do acidente. Essa parte de grupos de apoio é normal para nós. A falta de efetivo está em toda a Brigada Militar. É uma rotina, é normal um grupo apoiar o outro — aponta a soldado Elessandra, que estava em atendimento administrativo no 2º BRBM.

Até a chegada do policial de Taquari, quem orientou o trânsito no local do acidente foi a equipe dos Bombeiros Voluntários de Garibaldi, que realizaram o atendimento de resgate. Além do motociclista que morreu no local, três tripulantes de um Ônix emplacado em Candelária foram socorridos com ferimentos leves.

— Fomos avisados as 15h (do acidente) e às 15h45min já tínhamos todas as informações. O importante é que foi realizado o atendimento. Os bombeiros estavam no local e prestaram o devido atendimento. Porém, não deu mais de 40 minutos de deslocamento de viatura. Temos uma área de 4,5 mil quilômetros para atender. O tempo não foi fora do normal para uma ocorrência de trânsito — garante a soldado Elessandra.

Identidade da vítima não foi divulgada

Conforme o Grupo Rodoviário de Teutônia, o motociclista que morreu no acidente tem 30 anos e seria morador de Teutônia. O nome das vítimas, contudo, não foi divulgado oficialmente. Detalhes sobre o atendimento ou como aconteceu o acidente só poderiam ser divulgados após o retorno do policial a Taquari. 

Segundo acidente fatal na Serra no final de semana

Este é o segundo acidente de trânsito com morte na Serra neste final de semana. Na madrugada deste sábado, o motorista de uma caminhonete S10 morreu em uma colisão na  RSC-453, em Caxias do Sul.