Intenção do governo gaúcho e considerada arrocho e destruição das carreiras

234

As entidades dos Policiais e Bombeiros Militares gaúchos – ABAMF, ASSTBM, ABERGS, AOFERGS, AESPPOM, ASOF e associações independentes – estiveram reunidas na manhã de hoje(17/10), na sede da ASSTBM. Logo no início, o presidente Aparício Santellano esclareceu que a reunião não foi uma assembleia da categoria, mas a distribuição correta das informações a todos os representantes no Estado.

Foi informado o resultado do estudo feito pelos advogados das Entidades. O posicionamento é contra todas as propostas que remetem a redução no salário e fim de direitos. Ainda foi esclarecido que alguns itens não dependem apenas da vontade do governador, mas da aprovação da reforma da Previdência, que ocorre em nível federal.


É ponto pacífico que a parcela autônoma que o governo estadual pretende criar levará a um congelamento de parte do salário, pois os reajustes futuros serão somente no salário básico.

O presidente da ABAMF, José Clemente, ressaltou que é uma situação das mais graves que já viu.”Precisamos ter um alinhamento, estarmos todos juntos e mostrar que não se deve mexer com a maior força da segurança pública do RS”.

O presidente Ubirajara Ramos, ABERGS, destacou: “as propostas não mudam a situação financeira do Estado, mas retiram muitos direitos dos M inilitares Estaduais”.
Outra preocupação é com os jovens que ingressaram na BM. Os avanços na carreira  são, praticamente, ceifados diminuindo de forma considerável a remuneração e com grande risco do fim das promoções.

Com relação a saúde, existe uma dúvida, pois o texto cita  servidores, mas não dependentes, deixando uma lacuna para cobranças.

A proposta para major Róger Nardes, ASOF, pode levar os PMs e BMs a ter, como tempos atrás, o pior salário do Brasil.

No última parte da reunião, os participantes puderam fazer perguntas, quando foi lembrado o nome de Dagoberto Valteman (ASSTBM), que faleceu no primeiro semestre deste ano.

Foi destacado que participação e unidade dos policiais e bombeiros  junto com as representações é fundamental para combater as intenções do governo. Rachas e omissões auxiliarão a promover a vitória do arrocho e destruição das carreiras.

Ocorreram alertas sobre a estratégia do governo, que pode enviar os projetos para a Assembleia Legislativa às vésperas das festas de final de ano ou férias.

A mobilização já início e será intensificada. No dia 22 de outubro, às 13h, acontece mais uma caminhada. Dessa vez em Santa Maria com concentração na Praça Saldanha Marinho. Conversas com os deputados também serão realizadas.