Líder do MDB confirma apoio para mudanças em alíquotas previdenciárias de militares gaúchos

174

Deputados do partido vão definir posição de bancada nos próximos dias

Líder da bancada do MDB na Assembleia, Vilmar ZanchinCelso Bender / Divulgação

GAUCHAZH

Se depender da avaliação do líder da bancada do MDB na Assembleia Legislativa, Vilmar Zanchin, a liminar recém-obtida pelo governo do Estado no Supremo Tribunal Federal (STF) dá segurança jurídica para a votação do projeto que muda as alíquotas previdenciárias dos militares estaduais. Zanchin afirmou, nesta quinta-feira (20), que acredita que o tema deve, inclusive, ser votado antes que o tema seja contaminado pelo debate eleitoral.

— A decisão do ministro do STF Luis Roberto Barroso permite se discutir o projeto. Nossa dúvida era deliberar uma matéria na Assembleia que poderia (depois) ser declarada ilegal. Com essa decisão, me parece que o governo está amparado juridicamente para levar o assunto a plenário. Esse assunto tem que ser resolvido antes do período eleitoral, com certeza — afirmou Zanchin, reforçando que a posição oficial da bancada será definida na próxima reunião dos deputados emedebistas, prevista para o dia 3 de março.

O governo desejava ter votado o projeto ainda em 2019, mas, a pedido do MDB, decidiu aguardar aval do STF. Nessa quarta-feira (20), o ministro Barroso aceitou os argumentos do Piratini e concedeu uma liminar permitindo que o Rio Grande do Sul defina as próprias alíquotas de previdência de brigadianos e bombeiros, sem necessidade de replicar os índices usados para os militares federais.

— Estamos respaldados para aplicar as novas alíquotas — garante o procurador-geral do Estado, Eduardo Cunha da Costa.

A proposta do Piratini é aplicar aos militares gaúchos os mesmos índices de contribuição recém-aprovados pela Assembleia para os servidores civis, em uma tabela de 7,5% a 22%. Neste formato, quem ganha menos contribuirá com menor percentual e quem ganha mais pagará alíquota mais elevada.

Ainda comemorando a vitória no STF, o governo do Estado não definiu a estratégia política para buscar aprovação do texto. O Piratini trabalha com as duas alternativas. A primeira é, passado o Carnaval, pedir urgência sobre o projeto. Isso faria com que a medida trancasse a pauta de votações da Assembleia 30 dias depois. A segunda, considerada mais simpática pelo governo, é buscar um acordo de líderes para que o tema seja votado em plenário entre março e abril.

— O governo do Estado mantém o seu plano, só não definimos ainda a estratégia final — afirmou o líder do governo na Assembleia, Frederico Antunes (PP).

A tendência é de que o governo aguarde alguns dias antes de qualquer novo movimento envolvendo o tema. Além de avaliar as estratégias junto a aliados, o Piratini pretende esperar a “poeira baixar” entre policiais e governos de outros Estados. Na quarta-feira (19),   no Ceará, o senador licenciado Cid Gomes foi baleado ao tentar invadir batalhão da Polícia Militar, onde um grupo de policiais se amotinou para protestar contra baixos salários.

— Não vamos misturar as coisas. Não tem nada a ver com o Rio Grande do Sul. Lá, eles estão deliberando sobre salário. Nós, aqui, já votamos os subsídios dos militares — pontuou Antunes.

Já o líder do MDB na Assembleia admite que, neste momento, há incerteza sobre os próximos fatos envolvendo mobilização de militares.

— Essa é a grande dúvida: se o que está acontecendo no Ceará pode contaminar a corporação em outros Estados — pondera Zanchin.