Pesquisa da Santa Casa mostra índice da Covid-19 entre brigadianos

329

Por Anderson Guerreiro– 20 de agosto de 2020087

Foto: Jackson Cardoso/ASCOM BM

Estudo inédito divulgado nesta quinta-feira, 20, avaliou a prevalência da covid-19 entre policiais militares do Rio Grande do Sul – que compõem um grupo de profissionais com uma das maiores exposições ao coronavírus. Realizada pela Santa Casa de Misericórdia de Porto Alegre, a pesquisa indicou uma prevalência de ao menos 3,3% entre os brigadianos. Mesmo sendo um percentual mais alto do que o da população geral, foi identificado um baixo índice de complicações da doença: apenas 6,7% dos casos redundou em hospitalização, enquanto nenhum óbito foi registrado.


O levantamento foi realizado em parceria com o Instituto Cultural Floresta (ICF) e a Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre (UFCSPA). Mais de 1,5 mil brigadianos de dez cidades foram testados – representando 33,6% do efetivo elegível para o estudo nessas localidades. Os exames buscaram detectar a presença de anticorpos nos policiais. “Há poucos dados sobre o momento atual da pandemia, e as populações mais expostas também não foram estudadas. Temos aqui um retrato fiel de como a epidemia atingiu aqueles que seguiram trabalhando nas ruas”, destacou Alessandro Pasqualotto, chefe do Laboratório de Biologia Molecular da Santa Casa de Porto Alegre e um dos coordenadores do projeto.

Segundo a pesquisa, cerca de 27,5% dos entrevistados tiveram exposição a casos de covid-19 – ocorrida, em média, há 21 dias. A elevada frequência de uso de equipamentos de proteção individual também foi indicada pelos entrevistados: mais de 99% disseram usar máscara, frequência maior do que a de luvas (23,2%) e de protetor facial (9,6%). Em sua maioria, o grupo é composto por jovens e sem comorbidades.

Com informações da Santa Casa de Misericórdia de Porto Alegre