Assassinato de brigadiano dentro de ônibus mostra lei fraca e necessidade de PMs andarem nos ônibus sem farda

231
Brigadiano é mais uma vítima da fragilidade da lei que deixa sensação de impunidade e estimula ações de bandidos
Brigadiano é mais uma vítima da fragilidade da lei, que deixa sensação de impunidade e estimula ações de bandidos

Brigadiano está sendo velado no Cemitério Jardim da Paz.

Sepultamento ocorre às 17h.

A ABAMF  lamenta a morte de mais um guerreiro da segurança pública do RS.  O soldado Márcio Ricardo Ribeiro, 42 anos, do Batalhão de Polícia de Guardas da BM (Porto Alegre-RS) – BPG, foi assassinado por dois homens que assaltaram o ônibus em que o brigadiano se deslocava para casa, após cumprir as horas de trabalho, na noite de 17 de outubro. Os marginais dispararam sete vezes contra o soldado. No entanto, apenas um dos tiros não foi contido pelo colete balístico, porque foi disparado contra o rosto do PM, que sequer teve tempo para reagir.

A ABAMF e outras representações de PMs do Brasil vem lutando para que crimes contra agentes da segurança pública se tornem hediondos e essa tragédia mostra a urgência na modificação da lei. Os bandidos não temem a lei, que se mostra fraca e encoraja ações que mais parecem execuções. O assalto ao coletivo poderia ter vitimado mais pessoas, tantos foram os tiros disparados dentro do ônibus.

Se a lei fosse intimidatória, os assaltantes teriam desistido da ação ao ver um PM no coletivo, mas, ao contrário, preferiram matar o brigadiano. Esse não é um caso isolado. Por diversos locais do Brasil, os bandidos mostram, cada vez mais, não temer a lei e vão fazendo vítimas e deixando famílias sem pai, mãe e  filhos, por quantias irrisórias.

O presidente da ABAMF, lembra que, em 2007, a associação encaminhou para votação, na Câmara Municipal de Porto Alegre, através da vereadora Maria Celeste, projeto que possibilitaria que aos brigadianos viajarem nos ônibus da capital gaúcha gratuitamente, sem uso da farda. A proposta foi rejeitada pelos vereadores, à época (veja proposição  abaixo).  “Até hoje, como  pode ser constatado, os policiais são identificados pelos criminosos nos ônibus e pegos de surpresa”, alertou Leonel Lucas.

Enquanto os legisladores não tratarem agressores covardes com rigor na letra da lei  e a justiça tratar com menos benefícios  assassinos e estupradores e ladrões, os policiais não conseguirão, sozinhos, conter a violência. Ao contrário, muitas vezes, serão também vítimas.

Ao votarem contra essa proposta colocaram a vida dos  brigadianos

e demais cidadãos em risco em 16 de abril de 2007

“A isenção aos cabos e soldados já existe. Estamos tratando apenas do direito dos brigadianos terem passe livre sem uso da farda”, disse a proponente, lembrando que os soldados estão sendo alvo dos marginais que assaltam os ônibus.

Proposta

Câmara rejeita isenção para brigadianos sem uniforme

A Câmara Municipal de Porto Alegre rejeitou nesta segunda-feira (16/4/07), por 17 votos contrários e 12 favoráveis, projeto da vereadora Maria Celeste (PT) que permitiria aos cabos e soldados da Brigada Militar usufruírem a isenção de tarifa em transportes coletivos de Porto Alegre mesmo quando não estivessem fardados. A isenção proposta estava limitada ao percurso do policial de sua residência ao local de trabalho ou deste para aquela. O projeto, colocado em discussão na semana passada, não obteve quórum para votação, voltando ao plenário nesta segunda-feira.

Em sua defesa do projeto, Maria Celeste lembrou que a matéria tramita na Câmara há dois anos, não se justificando a alegação de que a proposta não foi suficientemente discutida. “A isenção aos cabos e soldados já existe. Estamos tratando apenas do direito dos brigadianos terem passe livre sem uso da farda”, disse a proponente, lembrando que os soldados estão sendo alvo dos marginais que assaltam os ônibus.

Sebastião Melo (PMDB) considera justa a reivindicação dos brigadianos, mas é contra o projeto por considerar que os demais trabalhadores irão arcar com os custos da isenção. Para Melo, é necessário aprofundar a discussão sobre o tema, em nível nacional, visando a criar isenções de insumos para pneus, chassi, combustível, reduzindo, assim, o preço da tarifa do transporte de uma maneira geral.

Votou favorável ao projeto a bancada do PT. Rejeitaram a proposta as bancadas do PMDB, PDT, PSDB, PPS e PSB. As bancadas do PTB, PFL e PP votaram divididas. Os vereadores Almerindo Filho (PSL) e Nilton Braga Rosa (PP) se abstiveram da votação. Votaram SIM e são a favor dos Brigadianos:

1 Maria Celeste, 2 José Ismael Heinen, 3 Adeli Sell, 4 Aldacir Oliboni, 5 Carlos Comassetto, 6 Carlos Todeschini, 7 Guilherme Barbosa , 8 Marcelo Danéris, 9 Margarete Moraes, 10 Sofia Cavedon, 11 Maria Luiza, 12 Nilo Santos.

Votaram Não e posicionaram-se contra os Brigadianos

1 Ervino Besson, 2 Márcio Bins Ely, 3 Mario Fraga, 4 Nereu D’Avila, 5 Neuza Canabarro, 6 Maristela Meneghetti, 7 Bernardino Vendruscolo,
8 Dr. Raul, 9 Haroldo de Souza, 10 Sebastião Melo,(Atual Vice Prefeito*), 11 João Antonio Dib, 12 Clênia Maranhão, 13 Maristela Maffei, 14 Claudio Sebenelo, 15 Luiz Braz, 16 Dr. Goulart, 17 Elói Guimarães.

Paulo Rogério N. da Silva

Jornalista ABAMF