Polícia remete amanhã à Justiça inquérito com três indiciamentos por morte de PM em ônibus na Capital

167
Brigadiano é mais uma vítima da fragilidade da lei que deixa sensação de impunidade e estimula ações de bandidos
Brigadiano é mais uma vítima da fragilidade da lei que deixa sensação de impunidade e estimula ações de bandidos

Policial foi morto dentro de coletivo da linha Itapuã, em 16 de outubro

A Polícia Civil vai encaminhar, nesta quarta-feira, à Justiça, o inquérito referente às investigações sobre o assassinato do policial militar Márcio Ricardo Ribeiro, de 42 anos, morto a tiros durante um assalto a ônibus em Porto Alegre, em 16 de outubro. De acordo com a delegada Áurea Regina Hoeppel, responsável pelas investigações, ainda há diligências em andamento, mas os resultados serão acrescentados posteriormente ao inquérito. Três indiciamentos por latrocínio (roubo seguido de morte) já foram finalizados, garante a policial.

Áurea explica que foram concluídas as investigações referentes à autoria, materialidade do crime e do delito. A polícia pede a prisão preventiva de três homens envolvidos no caso. Como um deles já está preso, a delegada requer a transformação da prisão temporária em preventiva. William Eduardo Ferreira Rodrigues, de 23 anos, foi detido na Rodoviária de Porto Alegre, tentando fugir para Mariana Pimentel. Sobre os dois suspeitos que seguem foragidos, a suspeita é de que tenham fugido para fora do Estado portando identidade falsa. Os nomes e fotos deles foram encaminhados para as polícias e órgãos de fronteira. Além dos três, um menor também é suspeito do crime, mas não foi identificado no sistema da polícia. Desse modo, ele apenas teve o nome comunicado à Justiça pela participação no crime. Além dos três, um menor também é suspeito do crime, mas não foi identificado no sistema da polícia. Desse modo, ele apenas teve o nome comunicado à Justiça pela participação no assassinato.

O ataque ao ônibus ocorreu dentro da linha Itapuã, da empresa Viamão, na avenida Juca Batista, no bairro Hípica. Fardado, o PM interveio e foi surpreendido por um dos bandidos que fingia ser passageiro, com o objetivo de dar cobertura aos cúmplices.

Fonte:Ananda Müller/Rádio Guaíba