ZERO HORA- ALTOS E BAIXOS DA SEGURANÇA

124

polcPesquisa aponta como destaque negativo no Estado o salário de PMs e o número de suicídios.O lado positivo se refere à proporçãode homicídios e o prestígio de policiais

 Comparado com a maioria dos Estados, o Rio Grande do Sul é até tranquilo no que se refere a assassinatos. É o 24º nesse ranking fatídico. Ao menos é o que aponta o Anuário Brasileiro de Segurança Pública, divulgado nesta semana pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública, composto por organizações estatais e não governamentais que estudam o assunto. Em suicídios, porém, a notícia não é boa. Os gaúchos costumam ser campeões nacionais – foi assim entre 2006 e 2010, e agora ainda ronda os primeiros lugares.

Na oitava edição, o anuário reúne informações de diferentes fontes, como do Sistema Nacional de Informações de Segurança Pública, Prisionais e sobre Drogas e do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

O levantamento apresenta inúmeras informações desagradáveis, como a de que a cada 10 minutos um brasileiro é assassinado ou que a polícia brasileira é uma das mais letais do mundo – mas aqui a violência também é maior.

Felizmente para os gaúchos, o Rio Grande do Sul não é destaque nem em um nem em outro quesito. Melhor ainda: os policiais gaúchos são os que gozam da mais alta confiança da população no país, segundo a pesquisa. Nestas páginas, veja um resumo dos altos e baixos da segurança pública no Estado apresentados no anuário.

Colaborou Fernanda da Costa

HUMBERTO TREZZI LETÍCIA COSTA