Moradores investem R$ 50 mil na reforma de caminhonete para uso da BM

147

17102296Resgatada do próprio ferro-velho da Brigada, S10 foi blindada, recebeu pneus que resistem a tiros e para-choque semelhante aos de carros-fortes

Retirada do ferro-velho da Brigada Militar e após nove meses em uma oficina, uma caminhonete depenada foi reformada a partir da união de mais de 20 moradores e empresários de Nova Prata, na serra gaúcha. Eles conseguiram juntar cerca de R$ 50 mil e devolver às ruas uma viatura que, sugestivamente, recebeu o apelido de Caveirão.

A S10 foi blindada — a única viatura convencional da BM com essa característica no Rio Grande do Sul, segundo o comando estadual —, recebeu pneus que resistem a tiros e para-choque semelhante aos de carros-fortes. A entrega oficial para o Pelotão de Operações Especiais (POE) de Nova Prata, que patrulha 17 municípios da região, foi marcada para as 19h desta quarta-feira — véspera de aniversário de um ano da unidade.

— Tem gente que fica só reclamando que o Estado está quebrado, e tem gente que faz algo para mudar. Reunimos pessoas deste grupo e, com doações de R$ 100 a R$ 5 mil, conseguimos fazer algo por nós, pela nossa segurança — destaca o idealizador da reforma, o mecânico Gustavo Mazzarolo.

A ideia surgiu durante o Carnaval deste ano. Ao ver o Prisma usado pelo POE estragar frequentemente — já que é dono de uma oficina mecânica —, prejudicando o patrulhamento da cidade, Mazzarolo sugeriu reformar um carro antigo.

— A região vive tendo casos de assalto a banco com explosivos, de que adianta um pelotão com roupas e armamento especiais, com um carro pequeno que vive quebrado? Fui, então, até o ferro-velho e sugeri reformar a S10, porque era um veículo 4×4 que os responsáveis pela nossa segurança mereciam — lembra.

Leia as últimas notícias de Polícia

Naquele momento, a caminhonete que um dia fora usada pela BM estava estragada e, para o Estado, não valia o investimento do conserto. Então, ao longo do tempo, as peças que ainda funcionavam foram sendo reutilizadas em outros carros e sobrou, basicamente, uma carcaça com quatro pneus diferentes. Foi esse esqueleto que foi levado para a Mazza Automotive e começou a ganhar características inspiradas em filmes americanos.

— Tu já viu 007? — pergunta Mazzarolo.

— Encarnei o personagem e comecei a perguntar pros brigadianos o que eles precisavam. Como eles nunca tinham tido uma viatura realmente decente, não souberam me dizer.

Então recorri aos filmes que vi e fui montando o melhor que pude — conta o dono da oficina.

Leia as últimas notícias de Zero Hora

No boca a boca, o projeto foi crescendo e recebendo ajuda tanto em dinheiro quanto em mão de obra. Um borracheiro cedeu pneus, outro empresário trocou o estofado e um especialista em blindagem de carros da Capital reforçou da lataria aos vidros para proteger os policiais, sem cobrar pelo serviço.

— Eu sou o pai do Frankenstein, mas muita gente ajudou de forma voluntária.

— Frankenstein? — questionou a repórter.

— É outro apelido dele. Além de verde, porque tinha que ter a cor da Brigada, fiz ele bem feio pra assustar os criminosos.

Para completar, os voluntários ainda usaram cerca de R$ 1,2 mil da verba recolhida para reformar um Corsa também utilizado pela BM. Outros R$ 250 que ainda sobraram da vaquinha serão destinados a comprar um binóculo com visão noturna, à venda nos Estados Unidos, para equipar o Caveirão.

— Só temos a agradecer a comunidade, pois só tínhamos veículos comuns na Brigada e este vai ser usado para ocorrências importantes, como assaltos a banco e tumultos — comemora o sargento Sérgio Roncatto.

 

Veja como ficou a caminhonete depois de reformada:


CRÉDITO: Arte ZH

ZERO HORA