Salva-vidas escapa de raio por 50 metros no Litoral Norte

169

Sargento Freitas foi encontrar colega em outra guarita e, na volta, viu destruição na praia | Foto: André Ávila
Sargento Freitas foi encontrar colega em outra guarita e, na volta, viu destruição na praia | Foto: André Ávila

Sargento Freitas foi encontrar colega em outra guarita e, na volta, viu destruição na praia

O convite de um colega para compartilhar algumas frutas pode ter “salvo a vida” do sargento Renato Freitas. Ele saiu da guarita 53 para encontrar o sargento Alcântara e, a 50 metros, viu seu local de trabalho ser destruido por um raio, na tarde desta quinta-feira na praia de Curumim, em Capão da Canoa, no Litoral Norte. 

“Eu estava longe da guarita e vi clarões no céu e duas meninas perto do mar. Corri para afastá-las da água e quando cheguei a uns 50 metros da guarita, o raio caiu. Foi um estrondo e um clarão muito intensos. As meninas já tinham corrido e passado dos cômoros de areia. Foi um baita susto”, relatou.

A guarita 53 ficou totalmente destruída. Pedaços foram lançados a mais de 20 metros de distância. Vários veranistas foram à praia para ver os destroços e cumprimentar o salva-vidas.

O aposentado Dirceu Ross, de 56 anos, havia acabado de almoçar e estava sentado na varanda da casa, que fica de frente para o mar e com a guarita 53 bem visível. “O estouro foi forte e o clarão muito intenso. Por sorte, ninguém se feriu”, comentou.

A Brigada Militar recomenda que em caso de chuva forte com raios e trovões, quem estiver na beira da praia ou no mar saia da área o mais rapidamente possível. Também devem se afastar de qualquer ponto vertical, como postes, antenas e guaritas. “Cheguei a sentir um tremor nas pernas tal a força da descarga elétrica. Eu me senti como se tivesse renascido”, afirmou o sargento.

CORREIO DO POVO