Bombeiros e PMs fazem parto de emergência, em Canela

129

Bombeiros e PMs fazem parto de emergência, em Canela | Foto: André Oliveira / Bombeiros / CP
Bombeiros e PMs fazem parto de emergência, em Canela | Foto: André Oliveira / Bombeiros / CP

Grávida morava em local de difícil acesso até o hospital

Bombeiros e policiais militares são profissionais acostumados a lidar com situações de risco. Faz parte do ofício trabalhar no limite entre a vida e a morte. No entanto, um chamado para o telefone de emergência na madrugada desta terça-feira, teve um desfecho feliz para as equipes dos Bombeiros e Brigada Militar de Canela com o nascimento de Lara Isabela após parto emergencial.

Grávida de sete meses, Tainara da Rosa Gross, 20 anos, entrou em trabalho de parto em casa, na Vila do Cedro. Em função de estar sentindo bastante dor e tendo contrações rápidas, as equipes tiveram que escolher entre fazer o parto no local ou encaminhar a gestante ao hospital. Optaram pela primeira alternativa. “O local onde ela mora é de difícil acesso. Entendemos que não daria tempo para ir até o hospital e fizemos o procedimento dentro do quarto dela”, conta o bombeiro Roger Martins, que comandou a ação.

O soldado observa que, após a expulsão do feto, o cordão umbilical  ficou envolvido no pescoço da criança. “Eu orientei ela a fazer força no momento da contração e o bebê nasceu nos meus braços. Realizamos a retirada do cordão e desobstruímos as vias aéreas para que tivesse o choro. Foi um momento muito feliz”, diz Martins. 

Após o choro, a mãe e a criança foram levadas ao Hospital de Caridade de Canela. O bebê nasceu às 4h49 e pesou 2,1 quilos. O bombeiro conta, ainda, que completou 12 anos de serviço nos bombeiros no mesmo dia do parto inusitado. “Vimos tanta tragédia na nossa rotina de trabalho. Na semana passada, atuei num acidente de trânsito com três feridos graves e as vítimas presas às ferragens. Além do aniversário de profissão, minha filha está completando 11 anos. Tudo no mesmo dia. O nascimento foi um grande presente”, comemora.

CORREIO DO POVO