ZERO HORA: Cresce número de mortos por PMs

137
Imagem Google
Imagem Google

NESTE COMEÇO DO ANO, oito pessoas já morreram em ações da BM na Região Metropolitana. Em 2014, média foi inferior a quatro casos por mês. Levantamento aponta crescimento desde 2012

Só no primeiro mês do ano, PMs estiveram envolvidos em oito casos de assassinatos na Região Metropolitana – metade deles no último feriadão. Conforme levantamento do Diário Gaúcho, desde 2012, esse índice só cresce.

Para o presidente da Associação de Cabos e Soldados da Brigada Militar, Leonel Lucas, o número deixa claro que “atualmente o PM vive no fio da navalha”. Conforme levantamento da associação, há um déficit de 14 mil PMs no Estado. Só no ano passado, mais de 200 policiais abandonaram a BM.

– Pode ser aplaudido por trocar tiros e acabar matando um assaltante, mas e quando errar o tiro? E quando a ação não der certo e ele é que for morto? – alerta.

POLÍCIA BRASILEIRA ESTÁ ENTRE AS MAIS VIOLENTAS

Em janeiro, já foi registrada a metade dos casos de mortes provocadas por policiais em 2012. E o dobro da média mensal observada no ano passado, quando 47 pessoas foram mortas em ações policiais em serviço ou à paisana. No ano passado, um levantamento do Fórum Brasileiro de Segurança Pública mostrou que a polícia brasileira está entre as mais violentas do mundo. Em números absolutos, o Rio Grande do Sul não figura entre os lugares mais preocupantes, mas o saldo médio no país de mortes em ações policiais é de cinco pessoas assassinadas pela polícia para cada policial morto. Desde 2012, 11 policiais foram assassinados na Região Metropolitana. Uma relação de oito para um.

Para o subcomandante da BM, coronel Paulo Stocker, não há motivo para alarme. O oficial acredita que o aumento de confrontos e, consequentemente, de mortes, é resultado do maior armamento e violência dos criminosos:

– Não significa que a polícia está mais violenta. Quem determina se o PM vai sacar a sua arma é a ação do bandido, e o emprego da força se dá dentro da lei. Se ele resiste ou confronta um policial, a reação precisa ser imediata, essa é a orientação que damos ao nosso efetivo.

Todos os casos registrados em 2015 estão sendo apurados pela Corregedoria da BM, mas somente sobre a morte do torcedor Maicon Doglas Lima, 16 anos, no último domingo, em São Leopoldo, ainda resta a suspeita de que tenha sido uma possível ação equivocada dos policiais em serviço.

O corregedor-geral da BM, coronel Jairo de Oliveira, afirma que cada caso é analisado individualmente, mas salienta que um tiroteio pode ser resultado de despreparo ou de excesso de preparo:

– Na maioria dos casos que tenho verificado, o preparo dos nossos policiais está a contento. Não há registros de balas perdidas disparadas por PMs em ação.

Segundo Stocker, a cada ano, todo soldado é submetido a 10 dias de reciclagem.

EDUARDO TORRES

ZERO HORA