Abaixo-assinado cobra mais PMs no entorno da UFRGS

127
Organizadora quer chegar a 3 mil assinaturas para encaminhar petição à Reitoria da UFRGS, BM, Prefeitura de Porto Alegre e governo estadual Foto: Reprodução / Avaaz.org
Organizadora quer chegar a 3 mil assinaturas para encaminhar petição à Reitoria da UFRGS, BM, Prefeitura de Porto Alegre e governo estadual
Foto: Reprodução / Avaaz.org

Idealizada por estudantes da Faculdade de Direito, petição conseguiu 2,7 mil assinaturas em menos de 24 horas

A insegurança no entorno e dentro do Campus Centro da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), em Porto Alegre, motivou a criação de umapetição online que, em menos de 24 horas, colheu mais de 2,7 mil assinaturas. Idealizado por alunas da Faculdade de Direito, o abaixo-assinado já se aproxima da meta estipulada para ser entregue a autoridades: 3 mil nomes.

Dezenove dias após a volta às aulas, assaltos e furtos têm alarmado quem precisa se deslocar aos prédios diariamente para estudar ou trabalhar. Criadora da petição no site Avaaz, a estudante Juliana Colombelli Candido, 18 anos, é, também, uma das idealizadoras da comunidade Ocorrências — Campus Centro UFRGS, no Facebook. Na página, alunos compartilham experiências como a publicada em 9 de março:

Não é a primeira petição aberta pelas jovens. Em março de 2014, Juliana e três amigas organizaram um primeiro abaixo-assinado após sentirem a insegurança com relatos de casos como o de um colega espancado e o de uma menina estuprada nas imediações da UFRGS. De sala em sala, colheram mais de mil nomes e levaram à Brigada Militar (BM). A corporação pediu ajuda: que elas auxiliassem no mapeamento das ocorrências criminais, já que muitas pessoas acabam não registrando os casos — que, consequentemente, não se tornam estatísticas.

A partir de então, as estudantes passaram a trocar mensagens por WhattsApp com homens do 9º Batalhão de Polícia Militar (BPM), que atende a área, informando onde, quando e como ocorriam os crimes — compartilhados pelas vítimas na página do Facebook. A parceria surtiu efeito. Viaturas passaram a ser estacionadas nos pontos mais perigosos, e até mesmo assaltantes foram presos em função da troca de informações rápidas por mensagens. No entanto, em 2015, alunos perceberam uma queda no policiamento.

— Todo aquele esforço que tivemos foi em vão porque retiraram as viaturas. Acabou o policiamento, e a criminalidade voltou com muita força. Tu não conheces ninguém que nunca sofreu ao menos uma tentativa de assalto ou furto. É terra de ninguém — diz Juliana.

O major Júlio Cesar de Ávila Peres, do 9º BPM, atribui à redução do monitoramento do entorno da área às férias da universidade e à concentração de crimes — inclusive, estupro à luz do dia — na Redenção. Segundo ele, a queda no policiamento não tem relação com o corte de horas extras de policiais militares imposto pelo governo do Estado:

— Temos utilizado o efetivo administrativo para suprir a carência das ruas, fechando o quartel em algum turno do dia. Isso (casos de roubos no entorno da UFRGS) sempre existiu em função da proximidade com o centro. Como agora voltaram as aulas, a questão é retomar (o aumento do policiamento).

Estudantes também cobram mais segurança dentro do campus

O abaixo-assinado também pede mais segurança dentro do campus, já que há relatos de furtos nas dependências da universidade: uma bolsa no Bar do Antônio, uma mochila no bar da Arquitetura e um celular dentro da biblioteca. Segundo o coordenador de segurança da UFRGS, Daniel Augusto Pereira, apenas dois casos chegaram a conhecimento da universidade neste ano.

— Foi o que se chama na área de segurança de furto descuido: a pessoa deixa algo na cadeira, se afasta e, quando volta, não está mais lá. O problema maior é no entorno. Dentro do campus, é raro acontecer — aponta Pereira.

A UFRGS atua com um segurança terceirizado ou funcionário próprio para monitoramento de cada prédio, diz o coordenador. As faculdades de Direito e Arquitetura, por exemplo, ainda contam com câmeras de vigilância. Nos casos de furtos, as imagens foram solicitadas e serão entregues à Polícia Civil.

As estudantes que organizaram a petição irão entregá-la à reitoria da UFRGS, à prefeitura de Porto Alegre, ao governo estadual e à BM na ânsia de dias mais tranquilos para estudar.

Como participar

Para assinar a petição, basta acessar o abaixo-assinado online no site Avaaz.org, informando o seu e-mail.

* Zero Hora