Sartori diz que Estado já economizou R$ 120 milhões com cortes de gastos

111
Sartori destaca economia de R$ 120 milhões com cortes nos gastos | Foto: Tarsila Pereira
Sartori destaca economia de R$ 120 milhões com cortes nos gastos | Foto: Tarsila Pereira

Governador fez balanço dos primeiros 100 dias de sua gestão

O governador José Ivo Sartori participou no início da tarde desta sexta-feira do programa Balanço Geral RS, da TV Record. O governador foi questionado sobre questões polêmicas que marcaram os primeiros 100 dias da sua gestão. Ele falou sobre o impacto dos cortes de gastos, em especial, em relação à segurança pública, e disse que o Estado já conseguiu cortar gastos que atingem R$ 120 milhões.

“Nesses 100 dias o Estado está fazendo limitações que atingem R$ 120 milhões. Valor esse que não foi gasto com Cargos em Confiança (CCs), viagens e horas extras”, explicou. Segundo ele, as dificuldades financeiras encontradas eram bem maiores das imaginadas. “Vamos fazer tudo o que for necessário para garantir o melhor”.

Sobre segurança, Sartori garantiu que os cortes não atingem serviços que atendem diretamente à população. “Estamos fazendo uma gestão clara e objetiva. Não há cortes nos serviços que atendem diretamente à população”, afirmou Sartori, recordando que foram entregues 190 viaturas aos municípios, que eram demandas de governos anteriores.

Sobre os assaltos a bancos, Sartori citou que duas quadrilhas especializadas vindas de Santa Catarina foram presas recentemente. “Aos poucos vamos mostrando os resultados e que as ações já são superiores – quase quatro vezes – em relação ao ano passado”, disse. Também citou que houve redução no número de brigadianos e de policiais civis que estavam em outros órgãos e que voltaram às ações próprias de segurança. “Aos poucos vocês vão sentir a diferença”, ressaltou ele.

O governador foi questionado sobre o fim do contrato de serviços de ambulância em rodovias atendidas pela Empresa Gaúcha de Rodovias (EGR). Ele disse que todos os contratos estão sendo revistos e que a situação é resultado da desativação dos polos de pedágio, que transferiu aos municípios a responsabilidade de disponibilizar as ambulâncias para os atendimentos nas estradas. “O governo irá fazer a sua parte e a EGR terá que encontrar outra forma para atender às necessidades”, disse.

Sartori também foi perguntado sobre a decisão de extinguir a Secretaria Estadual das Mulheres e, ao mesmo tempo, criou a secretaria Extraordinária do Gabinete de Políticas Sociais, que é coordenada pela sua esposa, Maria Helena Sartori. “Reduzimos de 30 para 20 secretarias. A Maria Helena (Sartori) poderia ser deputada e ganhar mais. A política das mulheres está sendo realizada na coordenadoria das Mulheres dentro da Secretaria Estadual da Justiça e dos Direitos Humanos. Não há incoerência”, disse.

Ao ser questionado sobre o uso de helicóptero para levá-lo a um evento particular no Litoral Norte, no início do ano, ele disse ser governador 24 horas por dia e justificou dizendo que o helicóptero do Estado estava danificado.

CORREIO DO POVO