Segurança será assunto de audiência na Assembleia

137

AUDIEntidades se mobilizam ao encontro e querem entregar documento ao governo

Por Thamy Spencer

A segurança pública gaúcha estará em debate em audiência pública no Teatro Dante Barone, na Assembleia Legislativa do RS, no próximo dia 18 (quinta-feira). Entidades prometem mobilização para o encontro, que reunirá representantes da Polícia Civil e Brigada Militar, Judiciário, Ministério Público, além de diferentes sindicatos e associações de categorias do setor. Ao final da audiência, integrantes de entidades de servidores tentarão entregar uma carta de reivindicações à Casa Civil, do governo. Para a audiência está confirmada a presença do secretário da área, Wantuir Jacini, como informaram a Comissão de Segurança e Serviços Públicos da Assembleia e a assessoria dele.

O presidente da Comissão, deputado Nelsinho Metalúrgico (PT), explicou que a audiência busca ouvir do governo do Estado qual é a estratégia para conter a violência. “O parlamentar avaliou que o mais preocupante é a falta de efetivos na Brigada Militar e na Polícia Civil. “E a cada mês se aposentam mais ou menos 100 a 120 brigadianos”, menciona. “Vai terminar o ano com mais de 1.500 PMs aposentados. Em dezenas de municípios há um policial ou nenhum”, apontou. “Precisamos que haja a convocação dos aprovados em concursos.” A reivindicação de o governo chamá-los faz parte também da pauta de sindicatos.

O vice-presidente da Ugeirm, sindicato que reúne escrivães, inspetores e investigadores da Polícia, Fábio Castro, lembrou que há 661 aprovados no último concurso à espera de chamamento. Alguns deles permaneceram quase 60 dias acampados na Praça da Matriz, em frente ao Piratini, e, conforme o sindicalista, deverão também estar na audiência. Existem ainda 2,5 mil concursados aprovados aguardando ingresso na Brigada Militar e Bombeiros. O presidente da Associação Beneficente Antônio Mendes Filho (Abamf), de cabos e soldados da BM, Leonel Lucas, estima um déficit de 14 mil policiais no Estado e um contingente de 20 mil policiais militares.

A Secretaria de Segurança tem reforçado que recebeu as entidades sindicais desde o começo do governo e informou a elas que o objetivo é chamar todos os aprovados nos concursos, mas que as nomeações dependem de liberação. Em relação à violência, a pasta aponta que houve redução nos índices de homicídios e latrocínios.

A audiência pública na Assembleia foi proposta por três deputados da bancada do PT e um do PTB. Outra audiência já aprovada, específica para debater o sistema prisional gaúcho, deve ocorrer alguns dias depois do encontro sobre a segurança.

Sindicatos preparam marcha na capital
Entidades de servidores da Brigada Militar, Polícia Civil, Susepe e Instituto-Geral de Perícias farão uma marcha, no dia 7 de julho, para pedir a manutenção do cronograma de reajustes salariais de categorias da segurança que vai até 2018 e foi acertado no governo passado. O temor é que os projetos de lei encaminhados pelo governo do Estado à Assembleia acabem mudando esses aumentos ou mesmo o calendário.

Conforme o presidente da Abamf, Leonel Lucas, policiais militares e agentes penitenciários irão se concentrar em praça da Rua Andradas e percorrer as ruas Caldas Jr, Siqueira Campos e Borges de Medeiros até a Praça da Matriz. Já os policiais civis  e peritos devem partir do Palácio da Polícia, na Avenida Ipiranga, até a Matriz.

DIÁRIO POPULAR