ABAMF contabiliza 70% de adesão ao movimento

132
21º BPM
21º BPM, zona sul de Porto Alegre

A ABAMF ainda  recebe informações da participação dos brigadianos no movimento de aquartelamento realizado nesta segunda-feira(3/8), no RS, mas o protesto contra o atraso nos salários tem, até o momento, apoio de  70%  da Corporação.

Em diversos municípios nenhuma viatura circulou. Apesar de cumprirem o dever de proteger a sociedade, os militares estaduais desempenharam a função, a pé, de bicicleta ou a cavalo, pois como parte da operação padrão nenhuma viatura em condição irregular – como falta de pagamento do IPVA – circulou pelas ruas.

Santa Maria
Santa Maria

O RS teve um dia atipico, com ônibus, bancos e escolas funcionando parcialmente. A desconfiança com relação a segurança diminuiu o movimento nas ruas. dar a ilusão de segurança, o governo usou alunos-oficiais para o policiamento ostensivo, no centro da capital gaúcha. Muitos usando coletes balísticos com validade expirada.  Nos bairros, no entanto, foi visível a falta de PMs.

São Leopoldo
São Leopoldo
Guaíba
Guaíba

Para o presidente da ABAMF, “o movimento é considerado um sucesso e a mobilização para a assembleia unificada dos servidores públicos, dia 18 de agosto, ganhou mais força”.  A partir do dia 4 de agosto acontecerão  reuniões regionalizadas que decidirão a posição da categoria, em caso de greve.

Bento Gonçalves
Bento Gonçalves

Leonel Lucas ressaltou, também, que os familiares e inativos tem sido muito importantes na luta em defesa dos direitos dos servidores. “Como os brigadianos da ativa, em muitos casos,  ficam impedidos de protestar contra injustiças, as esposas e filhos estão na rua defendendo o bem-estar e a dignidade da família”.

A operação padrão deve seguir até 18 de agosto. Viaturas sem as condições legais e brigadianos sem equipamentos de serviço adequado não devem participar do policiamento ostensivo.

São Gabriel
São Gabriel

Paulo Rogério N. da Silva

Jornalista ABAMF