Secretário admite que crise financeira do RS afeta segurança pública

99

thumb1Wantuir Jacini foi à sabatina em comissão da Assembleia Legislativa.
Deputados e representantes da Brigada Militar e Polícia Civil participaram.

O secretário de Segurança Pública, Wantuir Jacini, admitiu nesta quinta-feira (27) que a crise financeira do Rio Grande do Sul afeta o planejamento da segurança pública no estado. A declaração foi feita durante sabatina na Comissão de Segurança e Serviços Públicos da Assembleia Legislativa.

“Como que os servidores que tem os salários parcelados e não podem cumprir com suas obrigações familiares, com suas despesas, vão executar um plano de segurança? Isso tudo é decorrente dessa herança econômica”, declarou o secretário.

O secretário foi convidado por deputados da comissão para que detalhasse o plano estadual de segurança do estado. Participaram do encontro deputados estaduais e também representantes da Brigada Militar, Polícia Civil e de outras categorias do funcionalismo público.

Um dos momentos mais tensos ocorreu no final da manhã, quando o presidente da Associação dos Cabos e Soldados da Brigada Militar (Abamf), Leonel Lucas, disse que não garante a presença de policiais nas ruas se os salários não forem pagos integralmente na próxima semana.

“Como eu vou dizer para o meu brigadiano, secretário, que não se aquartele? Como vou dizer isso pra ele?”, perguntou o presidente da Abamf, sem receber resposta do secretário.

Jacini lamentou o corte de horas extras dos policias civis e militares e disse ainda que o governo não tem previsão de quando poderá chamar os policiais já aprovados em concursos públicos, já que não tem dinheiro no caixa.

“Nós temos concursos em andamento. Falta chamar policias para a Brigada e Polícia Civil. Não podemos chamar. Se não conseguimos pagar o salário dos policiais efetivos e do Executivo, como chamar aqueles outros policiais?”, questionou.

O secretário, no entanto, destacou a redução nas estatísticas da criminalidade no estado nos seis primeiros meses do ano, em comparação com o mesmo período do ano passado. O número de homicídios dolosos, por exemplo, caiu 2,2% de janeiro a junho.

“Dos 11 crimes, reduzimos nove. Dois não conseguimos reduzir: roubo em geral e roubo de veículos. Só reduziremos os roubos de veículos combatendo a receptação. E vamos fazê-lo”, prometeu o secretário Jacini.

G1