Apesar do uso de depósitos judiciais, Estado não garante pagamento em dia dos salários

149

feltesO secretário estadual da Fazenda do Rio Grande do Sul, Giovani Feltes, afirmou nessa manhã que, apesar do aprovação do aumento do Imposto Sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) e da ampliação do uso dos depósitos judiciais, o Estado não garante que o salário dos servidores será pago em dia nos com relação aos meses de setembro, outubro, novembro e dezembro, além do do 13º.

Em entrevista concedida nesta quarta-feira à Rádio Guaíba, no programa Agora, Feltes afirmou que a aprovação do aumento do ICMS no pacote de ajuste fiscal do governo, não resolve, sozinho, os demais problemas econômicos enfrentados no Estado.

“Isso vai nos garantir a folha de pagamento de setembro, tão somente. Porque nós viramos de agosto para setembro deixando de pagar, aproximadamente, R$ 600 milhões a fornecedores, terceirizados, hospitais, enfim. E, para pagar a folha, nos faltou, ao final de agosto (ao Executivo, de forma líquida), nos faltaram R$ 745 milhões. Portanto, esse R$ 1 bilhão vai tão somente assegurar o pagamento da folha de setembro, na medida que a cada mês nós temos uma falta de dinheiro de mais de R$ 400 milhões”, apontou Feltes.

No entanto, a medida do aumento do ICMS só terá benefícios a partir do ano que vem. De acordo com o secretário, a estimativa desses R$ 2 bilhões gerados ao RS através da elevação do imposto é de que somente seja possível amenizar um terço do rombo do déficit do Estado, previsto em R$ 6,2 bilhões para 2016.

“E para o ano que vem, a elevação do ICMS garante um terço do rombo da falta de dinheiro para o ano que vem que está considerado claro no orçamento do Estado: falta R$ 6,2 bilhões para fechar o ano de 2016. Com esses R$ 2 bilhões que devem entrar no Tesouro, por conta do aumento ICMS, ainda nos faltam por volta de R$ 4 bilhões para 2016. Vamos ter que trabalhar muito ainda”, destacou o secretário da Fazenda.

Feltes não descartou, também, o uso de empréstimos, junto ao Banrisul, para o pagamento tanto do 13º salário dos servidores quanto para os pagamentos referentes a setembro, outubro, novembro e dezembro. O secretário apontou que o governo não desconsidera antecipar a arrecadação do ICMS das empresas, já que todas as opções estão sendo estudadas.

 

Fonte: Vitória Famer / Rádio Guaíba