Após pressão do PDT, Jacini garante ter confiança de Sartori para ficar no cargo

113
Jacini (de óculos) lembrou que é profissional da área, sem pretensão de cargo eleitoral. Foto: Divulgação/MP
Jacini (de óculos) lembrou que é profissional da área, sem pretensão de cargo eleitoral. Foto: Divulgação/MP

Secretário da Segurança Pública admite chamar a Força Nacional, mas apenas em caso de crise agravada no sistema prisional

Alvo de questionamentos, o titular da Secretaria Estadual de Segurança, Wantuir Jacini garantiu que não teme ser substituído em função da crise agravada na área. Ao lado de Jacini, autoridades discutiram os recorrentes crimes ocorridos no entorno do Postão da Vila Cruzeiro, na zona Sul de Porto Alegre, em reunião com a presença do prefeito José Fortunati, hoje à tarde, no Ministério Público.

Em matéria publicada hoje pelo Correio do Povo, o deputado Giovani Cherini (PDT), coordenador da bancada gaúcha no Congresso, pede que Jacini seja substituído pelo deputado estadual Enio Bacci (PDT), que comandou a Secretaria no governo de Yeda Crusius (PSDB) e criticou o titular da Pasta, em redes sociais e em discurso na tribuna da Assembleia.

Alegando ter a confiança do governador José Ivo Sartori, Jacini, que veio do Mato Grosso do Sul, confirmou que não deixa o cargo. “O governador foi quem me convidou e me trouxe para cá. Então, enquanto eu tiver a confiança do governador eu continuarei realizando o meu trabalho até porque eu sou um profissional da segurança pública e não tenho pretensão nenhuma de disputar cargo eleitoral”, ressaltou.

Jacini ainda garantiu que as estruturas não foram abaladas, mesmo em meio à onda de violência registrada após o corte de horas extras e o parcelamento do funcionalismo. O secretário reconheceu que área da Segurança Pública sofre prejuízo porque é bancada pelo Palácio Piratini, sem recursos da União.

Força Nacional de Segurança: apenas em caso de crise no sistema prisional

Wantuir Jacini voltou a rechaçar a possibilidade de acionar a tropa da Força Nacional de Segurança para garantir a segurança ostensiva, junto da Brigada Militar. Conforme o secretário da Segurança, a tropa é empregada em ações especificas, como no interior de presídios e estradas, por exemplo. Ele admitiu, porém, que caso haja agravamento da crise no sistema prisional, a Força Nacional pode ser acionada. “Se houver necessidade sim”, frisou.

Segurança na Vila Cruzeiro segue reforçada

Durante a reunião, Wantuir Jacini ainda garantiu que a Brigada Militar vai permanecer, por tempo indeterminado, na Vila Cruzeiro, na zona Sul da Capital. O reforço é assegurado pelo Batalhão de Operações Especiais (BOE) para não reduzir o efetivo dos batalhões de policiamento da Capital. A BM vai garantir a segurança da área externa do posto enquanto a Guarda Municipal fica responsável pelo interior do prédio e o estacionamento.

Prefeito defende reforço da Força Nacional de Segurança

O prefeito José Fortunati se mostrou satisfeito com o reforço da Brigada Militar na zona Sul mas, durante o encontro, voltou a falar da Força Nacional para ajudar no combate à onda de violência. “Eu fui buscar informações da Força Nacional em outros estados e posso afiançar que ela esteve presente em algumas capitais, então eu continuo insistindo que a Força Nacional é importante para Porto Alegre”, resumiu. Como exemplo, Fortunati ressaltou que, em Maceió, o índice de criminalidade caiu 30% após a chegada da tropa nacional.

Fonte:Lucas Rivas/Rádio Guaíba