Assembleia Legislativa terá sessão e projetos serão votados

124

PMs1Servidores estaduais não terão acesso às galerias da Casa

A Assembleia Legislativa terá uma sessão ordinária na tarde desta quarta-feira no lugar da sessão solene que estava prevista em função da Semana Farroupilha. A definição ocorreu nessa manhã em reunião do presidente da Casa, Edson Brum (PMDB), com líderes de diversas bancadas. Os servidores estaduais não terão acessos às galerias.

Com a decisão, os processos que não foram votados nessa terça-feira poderão entrar em votação hoje. Isso dependerá de iniciativa de Edson Brum. Uma nova reunião do presidente da Assembleia com os líderes das bancadas está marcada para o início desta tarde.

Nessa terça-feira, a sessão de votação foi cancelada por falta de segurança em razão de bloqueio dos acessos à Casa promovido por manifestantes. Na ocasião, Edson Brum se mostrou indignado com a situação. “O parlamento não vai se colocar de joelhos a ninguém. Nem ao Executivo, nem ao Judiciário. Aqui há 55 deputados que representam 11 milhões de gaúchos. Isso não! Não abrimos mão da nossa independência como poder, nem das prerrogativas que o povo nos deu através do voto.”

Bloqueio e confusão com seguranças

O protesto começou na manhã desta terça. Funcionários que chegavam para o trabalho eram impedidos de ingressar no prédio do Legislativo. Os manifestantes utilizaram cadeiras de praia para bloquear a entrada da Casa e chegaram a entrar em confronto com seguranças do prédio.

A confusão começou no momento em que Edson Brum tentava deixar o prédio, mas foi impedido por alguns manifestantes. Os ânimos exaltados motivaram um empurra-empurra, que só foi contornado quando outros servidores decidiram separar colegas e evitar um tumulto ainda maior. A Brigada Militar e o Batalhão de Operações Especiais chegaram a ser acionados.

Projetos polêmicos na pauta

Vinte projetos de lei estão prontos para serem votados na Assembleia Legislativa nesta semana. Dez deles, encaminhados pelo governador José Ivo Sartori (PMDB), tramitam sob regime de urgência. Entre eles estão o que institui o regime de Previdência Complementar para servidores e os que pedem a extinção das Fundações de Esporte e a Fundação de Pesquisa em Saúde.

Fonte:Rádio Guaíba e Correio do Povo