Deputados aprovam plano de metas do governo Sartori até 2019

138
Governo conseguiu aprovar plano, mas, por falta de acordo, fracassou na tentativa de antecipar votação do projeto que prevê redução no pagamento das RPVs Foto: Gurreiro / Divulgação,ALRS
Governo conseguiu aprovar plano, mas, por falta de acordo, fracassou na tentativa de antecipar votação do projeto que prevê redução no pagamento das RPVs
Foto: Gurreiro / Divulgação,ALRS

O Plano Plurianual do Estado prevê medidas como a ampliação dos leitos hospitalares, das vagas no sistema prisional e dos acessos asfáltivos, mas deixa de fora o pagamento do piso nacional do magistério

Sob críticas da oposição e de entidades que representam servidores públicos, foi aprovado nesta terça-feira, na Assembleia, o Plano Plurianual (PPA) do Estado. O projeto (que recebeu 38 votos favoráveis e 13 contrários) estabelece as metas do governo de José Ivo Sartori até 2019.

Sem consenso sobre RPVs, deputados votam Plano Plurianual

Apesar de definir objetivos ousados diante do quadro financeiro crítico — como a ampliação dos leitos hospitalares, das vagas no sistema prisional e dos acessos asfálticos —, o texto deixa de fora o pagamento do piso do magistério e compra briga com o funcionalismo ao não prever reajuste real de salários (leia os detalhes mais abaixo).

Aprovada em 2008, a lei do piso até hoje é descumprida no Rio Grande do Sul. Na prática, a omissão do tema no PPA significa que os professores deverão continuar sem receber o mínimo nacional por pelo menos mais quatros anos. O Cpers-Sindicato chegou a propor uma emenda para tentar garantir o pagamento ainda em 2016, mas fracassou.

Por exigência legal, o PPA deve ser apresentado no início de cada gestão, para que funcione como uma espécie de guia. As ações propostas foram organizadas em quatro eixos (veja o resumo abaixo).

Durante a sessão, parlamentares da oposição, como o deputado Jeferson Fernandes (PT), acusaram o governo de “tornar precário e reduzir o Estado”. Outros, como Pedro Ruas (PSOL), apontaram a ausência de metas voltadas para a cobrança da dívida ativa (aquela que o Estado tem a receber).

Em defesa de Sartori, os aliados também usaram a tribuna. Vilmar Zanchin (PMDB) lembrou que o plano leva em conta o rombo previsto para os próximos quatro anos, de R$ 25 bilhões. Marcel van Hattem (PP) destacou o fato de não se tratar de um “plano ficcional”.

PLANO PLURIANUAL

O QUE É

É o conjunto de metas dos quatro anos de governo. Segundo a Constituição, deve ser elaborado e apresentado no primeiro ano de cada gestão.

COMO É ORGANIZADO

Basicamente, é composto por uma mensagem do governador, que inclui o resumo das diretrizes do governo e do quadro das finanças estaduais, e pelo conjunto de programas (85) e ações (809), com destaque para as prioridades em 2016.

Para ler na íntegra, basta acessar www.seplan.rs.gov.br, clicar em Planejamento e em “Plano Plurianual”.

PRINCIPAIS METAS

A seguir, confira as principais metas do Plano Plurianual, divididas em quatro eixos:

1) Desenvolvimento Econômico

– Apoiar 500 projetos agroindustriais.

– Capacitar 2 mil jovens em desenvolvimento rural, gestão da propriedade e de empreendimento rural e em inovação tecnológica.

2) Desenvolvimento Social

– Reduzir a taxa de mortalidade infantil de 10,7 para 9,5 óbitos em menores de um ano por mil nascidos vivos.

– Criar 1.607 novos leitos hospitalares.

– Aumentar a taxa de permanência do Ensino Médio de 91% para 95%.

– Implantar 400 escolas com tempo integral.

– Gerar 1.566 vagas no sistema prisional destinadas aos presos provisórios (sem condenação criminal).

– Implementar 151 bases de policiamento comunitário.

3) Infraestrutura e Ambiente

– Construir 956 quilômetros de acessos municipais e 430 quilômetros de rodovias.

– Modernizar oito aeroportos.

– Atender 42 municípios com gás natural.

– Construir 5 mil açudes.

4) Governança e Gestão

– Expandir o Programa Passe Livre Estudantil para 37 mil beneficiados.

– Implementar 92,5 quilômetros de vias incluídos nos Programas de Aceleração de Crescimento (PACs) do governo federal.

– Ampliar a receita estadual em 8%.

O CUSTO DAS MEDIDAS

– A projeção de despesas para o período de 2016 a 2019, excluindo as estatais, atinge a marca de R$ 265,17 bilhões. O maior peso recai sobre gastos com pessoa (R$ 110 bilhões). A principal fonte de receitas, segundo o plano, terá origem tributária.

A PRINCIPAL AUSÊNCIA

O plano não faz menção ao pagamento do piso do magistério, cuja lei foi aprovada em 2008. Isso significa, na prática, que os professores estaduais deverão continuar sem receber o mínimo nacional, no mínimo, até 2019. Por descumprir a lei, o Estado já acumula um passivo superior a R$ 10 bilhões.

A POLÊMICA EM TORNO DOS REAJUSTES SALARIAIS DO FUNCIONALISMO 

Entidades ligadas aos servidores públicos estaduais pressionaram pela rejeição do plano sob o argumento de que o texto “congela” os serviços públicos — especialmente no que diz respeito aos reajustes salariais.

Para o ano de 2016, o texto prevê que as despesas com pessoal não poderão crescer mais de 3% em relação a 2015, conforme a Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) aprovada em julho na Assembleia. Na prática, isso se traduz em arrocho salarial, já que o percentual cobre apenas o crescimento vegetativo da folha.

Para os demais anos, o documento indica que os gastos terão crescimento de 4,5% ao ano, a meta de inflação pelo IPCA, do Banco Central.

— Além de perenizar o congelamento dos serviços públicos, o PPA está capenga. Quando elaborado, não contou com o aumento da receita que deve vir de outros projetos, como o aumento do ICMS — disse ontem o presidente da Federação Sindical dos Servidores Públicos do Estado (Fessergs), Sérgio Arnoud.

Diretor do Departamento de Planejamento Governamental, Antônio Paulo Cargnin rebate as críticas, afirmando que o plano “só apresenta indicativos”.

— A definição dos detalhes financeiros depende das leis de diretrizes orçamentárias e dos orçamentos anuais aprovados na Assembleia — diz Cargnin.

Projeto para reduzir pagamentos de RPVs não foi votado

Apesar de obter a aprovação do Plano Plurianual, fracassou a tentativa do governo do Estado de adiantar a votação da redução do teto para as dívidas de pequeno valor (conhecidas como RPVs) nesta terça-feira. Os deputados têm até 7 de outubro para apreciar a proposta do Executivo, que diminui de 40 para sete salários mínimos o valor máximo das dívidas do Estado decorrentes de processos judiciais.

O não adiantamento da pauta das RPVs foi decidido em reunião entre os líderes das bancadas na Assembleia Legislativa na manhã desta terça-feira. Ao contrário do que se esperava na segunda-feira, uma possível adesão da bancada do PTB à oposição que barraria a votação, quem definiu a questão foi a bancada do PP. Enquanto o PTB se mostrou favorável à apreciação do projeto, os progressistas defenderam mais tempo para discutir a pauta.

ZERO HORA