Oposição solicita extrato de depósitos judiciais

135

pirtiniObjetivo é provar que governo tinha

mais R$ 270 milhões para salários

Os líderes das bancadas do PT, PCdoB e PSol na Assembleia Legislativa entregam na manhã de hoje(8/9) ao presidente do Tribunal de Justiça (TJ/RS), desembargador José Aquino Flôres de Camargo, solicitação formal para acessar o extrato da conta dos depósitos judiciais do Estado. O objetivo dos deputados é deixar claro que, em 31 de agosto, o governo dispunha de R$ 270 milhões que poderiam ter sido utilizados para pagar valores salariais maiores aos servidores. O Executivo deixou o montante na conta.

A existência dos valores foi divulgada na semana passada pelo líder da bancada do PT, deputado Luiz Fernando Mainardi. “Após termos o pedido atendido, vamos encaminhar a informação ao Tribunal de Contas do Estado (TCE) e ao Ministério Público de Contas (MPC)”, afirmou ontem Mainardi. TCE e MPC poderão solicitar informações ao Executivo a respeito da decisão de não utilizar os valores para cumprir compromissos constitucionais.
A iniciativa da oposição em relação aos dados apresentados pelo governo não é a primeira neste sentido. No início de agosto representantes do TCE também solicitaram ao governo do Estado o detalhamento dos números, principalmente daqueles relativos à receita. Há 20 dias foi a vez de o MPC solicitar a realização de uma auditoria extraordinária nas contas do Executivo em 2015. Um dos objetivos do levantamento é apurar que medidas emergenciais e estruturais poderiam ter sido adotadas para evitar a agudização da crise. O MPC requereu ainda uma análise qualitativa dos gastos com segurança pública e o desenvolvimento de metodologia para avaliar os gastos com as demais funções governamentais, com prioridade para saúde e educação.
Já categorias de servidores passaram a questionar ainda mais o parcelamento de salários após a divulgação de um levantamento feito pela Ajuris. Pesquisa diária da entidade nas edições do Diário Oficial do Estado mostrou que, apesar da crise, entre 15 de maio e 20 de agosto o Executivo nomeou 1.619 cargos em comissão (CCs).
Jornal CORREIO DO POVO