Piratini admite seguir parcelando salários em 2016, mesmo com alta de ICMS

105

orcamento‘Nenhum estadista gosta de uma situação dessa, mas fundamentalmente não há dinheiros nos cofres’, disse secretário do Planejamento

A injeção de R$ 2 bilhões nos cofres públicos do Estado não vai ser suficiente para impedir que o quadro de parcelamento dos salários do funcionalismo se repita em 2016. O Piratini vai contar com esse valor se o projeto de lei para aumentar as alíquotas de ICMS for aprovado na Assembleia Legislativa, na próxima terça-feira.

Os valores podem minimizar o déficit projeto pelo governo estadual para o próximo ano. Em 2016, a proposta orçamentária prevê um rombo de R$6,2 bilhões. Esse déficit não leva em conta receita adicional projetada com a elevação das alíquotas do imposto. Com o reajuste do ICMS, a conta negativa equivale a quatro folhas salariais dos servidores, conforme o secretário do Planejamento, Cristiano Tasch.

“Nenhum estadista gosta de uma situação dessa, mas fundamentalmente não há dinheiros nos cofres. Agora, a Secretaria da Fazenda está fazendo um esforço incansável para reduzir o tempo de atraso no pagamento”, ressaltou.

Em coletiva no Palácio Piratini, o secretariado do núcleo duro do governo Sartori detalhou a proposta de orçamento encaminhada ontem à Assembleia Legislativa. Conforme as projeções do governo, as despesas serão de R$ 62,5 bilhões enquanto as receitas não devem passar de R$ 56,3 bilhões. O Estado não vai conceder reajuste salariais, apenas o pagamento do aumento parcelado concedido aos trabalhadores da segurança ainda na gestão de Tarso Genro.

Fonte:Samantha Klein/Rádio Guaíba