Comando da BM transfere de função maioria dos comandantes de batalhões na Capital

126
Ainda sem pronunciamento oficial, coronel Stocker comunicou alterações. Foto: Arquivo/CP
Ainda sem pronunciamento oficial, coronel Stocker comunicou alterações. Foto: Arquivo/CP

Em todo o RS, 44 oficiais foram movidos para outros cargos com o mesmo nível de patente. Fontes internas dizem que medida ocorre como represália a aquartelamentos ocorridos em meses de parcelamento de salário

O subcomandante-geral da Brigada Militar (BM), Coronel Paulo Stocker, comunicou, nesta quarta-feira, a transferência de função de comandantes e subcomandantes de quatro dos seis batalhões do Comando de Policiamento da Capital (CPC). De acordo com a assessoria da corporação, foram movidos para outros cargos, com o mesmo nível de patente, 44 oficiais, entre tenentes coronéis, majores e capitães, em todo o Rio Grande do Sul.

Em Porto Alegre, a mudança atingiu o 1º Batalhão de Polícia Militar, o 9º BPM, o 19º BPM, o 21º BPM e o 1º Batalhão de Operações Especiais (BOE). A chefe do Estado Maior do Comando de Policiamento da Capital, Cristine Rasbold, também está na lista dos transferidos de função.

Ainda de acordo com a assessoria de imprensa da BM, a movimentação dos oficiais é parte de uma alteração rotineira que vem ocorrendo desde o início do ano. As mudanças serão publicadas, oficialmente, nesta quinta-feira.

Motivação

Fontes internas na BM ouvidas pela reportagem da Rádio Guaíba sugerem que as trocas de cargo podem ter sido uma represália do comando geral a decisões tomadas pelos comandantes durante o período de aquartelamento de PMs em função do parcelamento de salários do funcionalismo. Em alguns casos, por exemplo, os oficiais se negaram a forçar a saída de viaturas em quarteis onde familiares dos militares faziam o bloqueio dos portões.

Chama atenção, ainda, o fato de que os cinco comandantes de unidade transferidos em Porto Alegre foram justamente os de batalhões onde ocorreu aquartelamento, em meio à greve geral do funcionalismo, em agosto e setembro.

Não há, por enquanto, previsão de manifestação oficial da Brigada Militar à imprensa sobre o assunto.

Fonte:Dico Reis/Rádio Guaíba