Moradores da Kennedy lamentam fechamento de posto da BM e tentam reverter decisão

114
Foto: Maiara Bersch / Agencia RBS
Foto: Maiara Bersch / Agencia RBS

Moradores se reunem com comandante do 1º Regimento de Polícia Montada na manhã desta quinta-feira

Um ponto de referência para os moradores da Vila Kennedy, no bairro Salgado Filho, zona norte de Santa Maria, está com os dias contados. O posto da Brigada Militar (BM), que funciona no local há mais de 20 anos, só estará em atividade até amanhã. Depois, será desativado. Esse é o último ponto de apoio que ainda estava em funcionamento na cidade.

Em maio, o “Diário” noticiou o fechamento de um posto da BM no bairro Nova Santa Marta, que, no entanto, já não estava funcionando há quatro anos. Com isso, além da sede principal, na Rua Pinto Bandeira, a Brigada conta com as suas duas subsedes fixas, nos bairros Tancredo Neves e Camobi.

Para os moradores da Vila Kennedy, mais do que um local para registro de ocorrências, o posto servia como uma espécie de “salva-vidas” dos moradores:

– A segurança que temos é o posto, que nos serve para tudo, não só na segurança. A venda de droga aqui está explícita, até crianças estão sendo usadas – desabafa a aposentava Celenir Torres, 55 anos.

– Sempre que precisávamos de alguma coisa, íamos ali. Sem essa presença, vai ficar complicado. É o ponto da polícia mais próximo que temos. Temos medo que a violência comece a aumentar ainda mais – reforça outra moradora, a dona de casa Maclove Xavier, 37 anos.

Já outra moradora, que pediu para não ser identificada, disse que “o posto não vai fazer diferença porque eles (policiais) não fazem nada”.

O tenente-coronel Gedeon Pinto da Silva, comandante do 1º Regimento de Polícia Montada (1º RPMon), responsável pelo posto, explica que a medida foi tomada após estudos técnicos e que o fechamento do posto não significará falta de policiamento, pelo contrário.

– Vai aumentar a sensação de segurança e a visibilidade. Vou tirar o policial de lá de dentro, eles vão ficar expostos na rua, vamos ter uma atividade efetiva. Ao invés do policial ficar ali sentado, atendendo ao telefone, vai estar em pé, na rua, atendendo as ocorrências – afirma Gedeon.

Ainda conforme o comandante, a medida adotada no local será semelhante à estratégia já empregada no bairro Nova Santa Marta, que conta com policiamento exclusivo 24 horas por dia. Gedeon explica que os quatro policiais que dividiam a escala no posto da Vila Kennedy vão atuar na região com uma viatura, possivelmente do Pelotão de Operações Especiais (POE), do 1º RPMon, ou do 2º Batalhão de Operações Especiais (BOE).

Além disso, o comandante afirma que o principal fator que determinou a desativação do posto é o déficit no efetivo policial, que é de aproximadamente 35% abaixo do ideal. O espaço físico, que pertence à prefeitura, será devolvido à administração municipal. Nesta quinta-feira, às 9h, Gedeon recebe um grupo de moradores do local para uma reunião na sede do 1º RPMon.

ZERO HORA