Rio Grande do Sul é 8º no ranking nacional de assassinatos

131

imageDados fazem parte de estudo divulgado pelo Ministério da Justiça

O Rio Grande do Sul é o oitavo colocado no ranking nacional de homicídios dolosos (com intenção de matar). No ano passado, ocorreram no Estado 2.226 assassinatos, média de 19,9 homicídios por 100 mil habitantes. O estado com maior índice de crimes deste tipo é o Ceará, com 46,9 assassinatos por 100 mil habitantes. Estes equivalem a 4.144 homicídios. A cidade cearense com maior índice é Fortaleza, com 72,7 homicídios por 100 mil habitantes. No Brasil, em segundo lugar está Sergipe, com 45 homicídios por 100 mil habitantes.

Os dados foram divulgados ontem pela Secretaria Nacional de Segurança Pública, do Ministério da Justiça (MJ). Os números fazem parte do estudo Diagnóstico dos Homicídios no Brasil, levando em conta os crimes ocorridos em 2014.  A região do país com a maior taxa de homicídios dolosos por 100 mil habitantes é a Nordeste. Segundo o estudo, são 33,76 assassinatos. Em seguida, vem a região Norte (31,09) e Centro-Oeste (26,26). As regiões Sudeste e Sul apresentam taxas menores, de 16,91 e 14,36, respectivamente.

Em números absolutos, o estado que registrou o maior número de homicídios dolosos em 2014 foi a Bahia. Este estado teve 5.450 assassinatos (36 por 100 mil habitantes). Os outros estados são o Rio de Janeiro, com 4.610 assassinatos, São Paulo, com 4.294. A menor taxa de homicídios por 100 mil habitantes é de Santa Catarina. O estado vizinho registrou uma taxa de 8,7 assassinatos por 100 mil habitantes. Foram registrados 587 homicídios em território catarinense durante todo o ano de 2014.

Para ter uma noção comparativa no âmbito internacional sobre a taxa brasileira de homicídio, o relatório destaca que países com histórico de guerra civil, como o Congo (30,8 por 100 mil habitantes), na África, e nações com altas taxas de homicídios associadas ao narcotráfico, como a Colômbia (33,4), têm índices menores do que os do Nordeste brasileiro. De acordo com o Ministério da Justiça, o diagnóstico fez o levantamento em 80 municípios, situados nas 26 unidades da Federação, além da região administrativa de Ceilândia, no Distrito Federal, somando 81 localidades prioritárias de ação, agregando 22.569 homicídios dolosos ocorridos em 2014. Isto, de acordo com o estudo, representa, aproximadamente, 50% do total de assassinatos registrados em todo o país.

Ferramenta

De acordo com Regina Miki, secretária nacional de Segurança Pública, a intenção do MJ ao elaborar o estudo foi transformar este em uma ferramenta de gestão para enfrentar o crime, observando as coincidências entre as altas taxas de homicídios e problemas sociais e econômicos.

CORREIO DO POVO