ABAMF parabeniza 4º RPMon

267
Diretor de habitação, Jairo Rosa(ABAMF), com o comandante e o subcomandante do 4° RPMon e diretores da ASSTBM
Diretor de habitação da ABAMF, com o comandante e o subcomandante do 4° RPMon e diretores da ASSTBM

O 4° RPMon, situado bem próximo da sede estadual da ABAMF, completou 100 anos de serviços prestados aos cidadãos e cidadãs gauchas. Esta representação dos servidores de nível médio da BM parabeniza os cavalarianos. Até por que um dos diretores da ABAMF é cavalariano.

Fundado com o nome de Escolta Presidencial, a unidade de cavalaria tinha a missão de guarnecer o Palácio Piratini e atuar nas manifestações do início do século XX. Em 1974, a corporação ganhou a denominação de 4° Regimento de Polícia Montada e, em 1985, passou a carregar oficialmente o nome do líder da Revolução Farroupilha – Regimento Bento Gonçalves.

A unidade de cavalaria, que defendeu o RS em campos de batalha, atualmente, foca-se no policiamento ostensivo, além de continuar realizando a guarda do Palácio Piratini. São diversos os motivos que fazem um policial militar ingressar no 4° RPMon. Um dos mais fortes é o contato com os cavalos. Atuam na unidade 228 servidores, sendo 20% são mulheres.

Entidades de níve médio prestigiaram a data especial da unidade da BM
Entidades de níve médio prestigiaram a data especial da unidade da BM

A unidade tem 116 animais. Um cavalo serve a um único policial. “Cada cavalo é moldado ao seu cavaleiro e, da mesma forma, cada cavaleiro se molda ao seu cavalo. Não há nada mais ostensivo, na atividade de segurança pública, do que um policial militar montado”, afirma o major Cláudio de Azevedo Goggia, subcomandante do 4º RPMon.