Justiça decreta prisão temporária de jovem suspeito da morte de PM em Tramandaí

125

qwewInvestigado já havia sido preso pelo policial em 2015. Para polícia, soldado pode ter sido morto por vingança

A Justiça de Tramandaí decretou a prisão temporária por 30 dias de um dos suspeito de envolvimento na morte do policial militar Maysson Fagundes da Silva, 27 anos, ocorrida na orla de Tramandaí na madrugada de sexta-feira. Nelson José Paiano, de 19 anos, foi detido na Vila Umbú, em Alvorada, na tarde de ontem. O pedido de prisão foi decretado nessa sexta-feira. O jovem está preso na Delegacia de Tramandaí. Ele será ouvido pela investigação ao logo deste sábado e posteriormente será encaminhado à Penitenciária Modulada de Osório, adiantou o delegado Paulo Peres.

Paiano é apontado como executor do PM. Em 2015, o jovem foi preso pela vítima após ter atirado contra Maysson durante uma perseguição, depois de um roubo, na zona Norte da Capital. Indiciado pela tentativa de homicídio do brigadiano, ficou três dias preso.

A morte do policial militar, que atuava no 11° BPM, ocorreu na avenida Beira-Mar, por volta das 3h. O brigadiano viajou ao litoral para passar a virada de ano. O suspeito mora em Alvorada e tem parentes na cidade do litoral. Ainda ferido, o policial baleado conseguiu reconhecer o suspeito e alertar um amigo. Para a polícia, o soldado pode ter sido morto por vingança. Apesar de estar com amigos, só ele foi atacado.

Adolescente baleada

Uma jovem de 16 anos foi baleada logo depois do assassinato do PM. A suspeita da polícia é que o amigo do brigadiano tenha atirado nela. Ele admitiu ter pegado a arma do policial e efetuado disparos contra o criminoso que matou o soldado. Peres classificou a atitude de “temerária” porque havia muita movimentação no calçadão onde ocorreram os tiros.

Se o exame de balística confirmar que ele atirou, será indiciado por tentativa de homicídio por dolo eventual, que ocorre quando se assume o risco de matar. A jovem foi transferida para Porto Alegre para receber atendimento, mas não corre risco de morrer.

Fonte:Lucas Rivas/Rádio Guaíba