Moradores de Porto Alegre reclamam do fechamento de postos policiais

147

PSTPostos da Brigada Militar amanheceram fechados na Zona Sul da capital.
Recentemente, moradores da Zona Norte também reclamaram da medida.

O fechamento recente de postos da Brigada Militar em bairros da Zona Sul de Porto Alegre deixa moradores da região preocupados. O mesmo já ocorreu na Zona Norte no começo deste ano, quando a explicação foi de que a prioridade era o policiamento nas ruas em vez de deixarem PMs parados dentro dos postos.

O posto do bairro Vila Nova, que existe desde 1993, amanheceu fechado nesta quinta-feira (18). Na porta, um recado informava que o serviço é externo e indica dois telefones para contato. Em Ipanema também não havia policiamento no posto. Morador do bairro há 40 anos, seu Jorge lamenta o que considera um abandono de espaço.

“É o último suspiro de segurança que tínhamos aqui. No interior do bairro a situação é calamitosa há vários anos, e agora então, com o baixo efetivo de policiais e sem recursos necessários, nós não temos nenhum atendimento”, diz o diretor-tesoureiro de associação de moradores da Orla de Ipanema, Jorge Estácio.

“Sempre tivemos um canal muito aberto com a Brigada Militar. Há um distanciamento que não é produtivo, eu imagino que a comunidade pode contribuir muito, pode ser os olhos da BM. A comunidade organizada pode contribuir, e não atrapalhar. Esse distanciamento desmotiva as pessoas e gera mais insegurança. Não sabemos a quem nos dirigir”, lamenta Waneza Vieira, da mesma associação.

O comerciante Alberto Tarrasconi, que vive há décadas em Ipanema, diz que a violência é frequente. Ele já foi assaltado 20 vezes. Mas, mesmo aos 79 anos, mantém as portas do estabelecimento abertas.

“Já levei facada no pescoço, coronhada, apanhei bastante e ninguém resolveu nada. E todas vezes tenho feito queixa”, desabafa.

De acordo com a Waneza, em 2014 a comunidade doou R$ 5 mil para a reforma do posto, que fica na rua Dea Coufal, o principal acesso à Orla de Ipanema.

No ano passado, em uma audiência pública com os moradores, a Brigada Militar sugeriu a transferência do posto da rua para outra área, na orla. O novo posto seria construído pelos próprios moradores. Segundo o comando, isso daria mais visibilidade para o policiamento. O problema é que essa ideia não saiu do papel.

“É um posto muito antigo e que vinha atendendo muito bem a comunidade, até dois anos atrás. É uma desconstrução de tudo, porque a comunidade fica perdida, não sabe de quem se socorrer”, completa Waneza.

Segundo a associação que representa os policiais militares, a Abamf, o ideal seria que 37 mil brigadianos trabalhassem no estado. Mas, segundo a associação, esse número é de apenas 15 mil. A reportagem entrou em contato com a Brigada Militar, que disse que se manifestará por meio de nota.

À Rádio Gaúcha, pela manhã, o subcomandante geral da Brigada Militar, coronel Andrei Sílvio Dallago, confirmou o fechamento de postos. Ele alegou questões estratégicas para colocar mais policiais nas ruas.

Dallago destacou, também, que o fechamento não é definitivo e as medidas voltarão a ser discutidas com a comunidade.

Fechamento de posto na Zona Norte
No começo de janeiro, a Brigada Militar fechou um posto policial no bairro Rubem Berta, na Zona Norte de Porto Alegre, um dos mais violentos da capital gaúcha. A casa que era a sede foi construída há mais de 25 anos por moradores da comunidade, que foram pegos de surpresa com as portas fechadas.

O tenente-coronel Egon Kvietinski, comandante do 20º Batalhão da Brigada Militar, disse na ocasião que a medida era temporária, mas que poderia se tornar definitiva.

O objetivo com o fechamento, segundo ele, é destinar mais militares para patrulhamento.

“Não se justifica, por exemplo, um fato: que um policial esteja assistindo à sessão da tarde ou sei lá o nome do programa ali às 15h, enquanto o outro está na viatura tomando tiro. O que nós fizemos foi unicamente fechar o posto. Por enquanto é temporario, mas grande probabilidade de ser definitivo para que nós tenhamos mais efetivo dentro das viaturas fazendo o policiamento e atendendo demandas do 190”, ressaltou.

Os moradores, por sua vez, dizem que não há patrulhamento na região.

“A questão de ver viatura ou não é o grande dilema de todo mundo. Respeito essa verdade que foi dita por eles, mas não representa 100% do que aconteceu”, completou o tenente-coronel.

Local onde funcionava posto está vazio e abandonado no bairro (Foto: Reprodução/RBS TV)
Local onde funcionava posto está vazio e
abandonado no bairro (Foto: Reprodução/RBS TV)

Posto policial é fechado em bairro de Porto Alegre, e moradores reclamam

Comunidade do Rubem Berta, na Zona Norte, reclama de assaltos.
Tenente-coronel diz que fechamento é temporário, mas pode ser definitivo.

Há 15 dias, a Brigada Militar fechou um posto policial no bairro Rubem Berta, na Zona Norte de Porto Alegre, um dos mais violentos da capital gaúcha. A casa que era a sede foi construída há mais de 25 anos por moradores da comunidade, que foram pegos de surpresa com as portas fechadas (veja mais na reportagem do Jornal do Almoço).

O tenente-coronel Egon Kvietinski, comandante do 20º Batalhão da Brigada Militar, diz que a medida é temporária, mas que pode se tornar definitiva. O objetivo com o fechamento, segundo ele, é destinar mais militares para patrulhamento.

O moradores se dizem preocupados com a falta de policiamento. “A Brigada saiu daqui, não disse porque sairia, não deu explicação nenhuma pra ninguém e a gente ve diariamente, quase que de hora em hora, gente sendo assaltada, gente querendo fazer ocorrência. E a gente não sabe pra onde correr”, reclama o autônomo Carlos Alberto Dutra.

Parece até que faz mais tempo que o posto foi desativado. Já há lixo acumulado no local, que ficou abandonado. “Totalmente abandonado. É lixo pra tudo que é lado. Tá tudo vazio. Não temos mais nada da Brigada”, relata Carlos Martins, presidente da Associação Comunitária do Parque dos Maias, bairro vizinho.

Outro morador diz que até quem usa a região próxima de onde ficava o posto para caminhar, se exercitar, acaba sendo surpreendido com assaltos.

“Parece que o assaltante viu que a Brigada saiu daqui e tá sentindo que pode assaltar, pode roubar. Como essa rua aqui é utilizada por pessoas que caminham durante a noite, estão sendo assaltados caminhando aí na frente. Eu não sei como que pode assaltar uma pessoa que está caminhando de short, de calção… Querem assaltar a pessoa. Quer dizer que são donos do campinho”, diz o serralheiro Carlos Iberê Teixeira.

O comandante Egon da região diz que a decisão de deixar posto foi estratégica, e explica que atualmente apenas um militar ficava no local.

“Não se justifica, por exemplo, um fato: que um policial esteja assintindo à sessão da tarde ou sei lá o nome do programa ali às 15h, enquanto o outro está na viatura tomando tiro. O que nós fizemos foi unicamente fechar o posto. Por enquanto é temporario, mas grande probabilidade de ser definitivo para que nós tenhamos mais efetivo dentro das viaturas fazendo o policiamento e atendendo demandas do 190”, ressalta.

Os moradores, por sua vez, dizem que não há patrulhamento na região.

“A questão de ver viatura ou não é o grande dilema de todo mundo. Respeito essa verdade que foi dita por eles, mas não representa 100% do que aconteceu”, completa o tenente-coronel.

 

G1