Aliados pedem a Sartori retirada de projeto

157
Antunes e Loureiro se reuniram com Biolchi, na Casa Civil | Foto: Cristiano Guerra / AL / CP
Antunes e Loureiro se reuniram com Biolchi, na Casa Civil | Foto: Cristiano Guerra / AL / CP

Líderes da bancada do PP e do PDT disseram ao governador que a proposta precisa de mais discussão

Aliados de José Ivo Sartori (PMDB) foram ao Palácio Piratini, nessa quinta-feira, solicitar que o governador reconsidere e autorize a retirada da Proposta de Emenda à Constituição (PEC 251) da pauta na Assembleia. A proposta, protocolada pelo Executivo na semana passada, modifica a Constituição, alterando artigos que definem garantias a gratificações por tempo de serviço e a paridade de salários entre ativos e aposentados do funcionalismo estadual.

A iniciativa foi liderada pelos chefes da bancada do PP, Frederico Antunes, e do PDT, Eduardo Loureiro. Segundo eles, o pedido foi feito diretamente ao governador, após solenidade ocorrida à tarde, na sede do governo. Sartori, contaram ambos os deputados, os orientou a apresentar a demanda ao chefe da Casa Civil, secretário Márcio Biolchi (PMDB), que se comprometeu a colocar o pedido em análise.

Antes das audiências com o governador e o chefe da Casa Civil, o líder da bancada do PP havia anunciado, na tribuna da Assembleia, sua decisão. “Vamos aproveitar que é matéria recém chegada, sem necessidade de urgência, e vamos proceder as correções possíveis. Como está suscita dúvidas, que colocaram em alerta os servidores pelo grande temor sobre o impacto da proposta”, explicou Antunes, logo depois de seu pronunciamento.

Loureiro argumentou, em entrevista após a reunião na Casa Civil, que o entendimento da bancada do PDT é de que a PEC “tem problemas e indefinições”, apontou. O líder da bancada pedetista considerou que, se o governador mantiver o interesse sobre a proposta, deverá, ao menos, proceder “alguns ajustes de conteúdo” nos termos em que a PEC se refere às “gratificações por tempo de serviço e paridade entre servidores”, disse.

A bancada do PSB também se posicionou. “É preciso discutir a matéria. Por isso, nossa posição é de retirada da pauta”, declarou o líder da bancada do PSB, Elton Weber. A Casa Civil não quis se manifestar sobre o assunto nessa quinta.

CORREIO DO POVO