Rádio Guaíba: Pacote de Segurança a ser anunciado amanhã no RS prevê quase R$ 170 milhões até 2018

199

bmredencao-345x156Em nota, governo confirmou chamamento de PMs e policiais civis aprovados em concurso e seleções novas para a Susepe e o IGP

O governo estadual divulga, na manhã desta quinta-feira, a segunda fase do Plano Estadual de Segurança Pública, que representa um aporte estimado em R$ 166,9 milhões em investimentos novos no setor, até o início de 2018. A verba abrange o pagamento de horas extras e diárias, a ampliação dos efetivos e investimentos no reaparelhamento dos órgãos da Segurança Pública.

Em nota, o Palácio Piratini confirmou, hoje, que as iniciativas envolvem o chamamento de aprovados nos concursos mais recentes da Brigada Militar e da Polícia Civil e a abertura de editais para a seleção de peritos e agentes penitenciários para o IGP e a Susepe, respectivamente. A reestruturação do sistema penitenciário gaúcho, com um plano que prevê a geração de mais vagas prisionais, completa o pacote.

Os anúncios haviam sido atrelados pelo governador José Ivo Sartori à aprovação, pela Assembleia, da Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) de 2017, o que ocorreu ontem. O texto prevê congelar, pelo segundo ano consecutivo, o orçamento de custeio da máquina pública e limita a 3% o crescimento da folha de pagamento de pessoal. Isso significa, em tese, a suspensão de reajustes salariais (exceto os já concedidos, pelo governo anterior) e de concursos públicos em áreas não consideradas essenciais, por mais um ano.

O alcance das medidas a serem anunciadas amanhã preocupa as entidades de servidores da BM e da Polícia Civil e os aprovados nas seleções, cuja validade vence no fim do ano.

Conforme a Associação de Cabos e Soldados do Rio Grande do Sul, só na Brigada Militar, 1.008 PMs já se aposentaram, em 2016. Dos cerca de 2 mil aprovados na seleção mais recente da BM, a tendência é de que o Estado chame 500. O risco, ainda conforme a Abamf, é de que o número de aposentadorias chegue a três mil, até o fim do ano. O déficit de PMs, conforme o presidente da Associação, é de 22 mil: há hoje 15 mil policiais para um efetivo ideal de 37 mil.

Já a Ugeirm Sindicato, que representa os policiais civis, receia que dos 650 aprovados para a corporação, só 280 sejam chamados agora. A entidade projeta que o total de servidores chegue hoje a 5,2 mil, entre agentes e delegados, e pondera que o efetivo ideal é de cerca de dez mil.

Fonte:Rádio Guaíba
SSS
SSP