Sartori pede apoio à votação da LDO e garante que houve diálogo com o Judiciário

146
Sartori se reuniu com deputados da base aliada para tratar da LDO 2017. Foto: Luiz Chaves / Palácio Piratini / Divulgação / CP
Sartori se reuniu com deputados da base aliada para tratar da LDO 2017. Foto: Luiz Chaves / Palácio Piratini / Divulgação / CP

Governador orientou a base aliada sobre a importância de que seja mantida a projeção de despesas com reajuste máximo de 3%, para todos os Poderes

O governador José Ivo Sartori se reuniu, hoje, com deputados da base aliada e orientou o grupo sobre a importância de que seja mantida a projeção de despesas de custeio com reajuste máximo de 3%, para todos os Poderes, no ano que vem. O texto não permite, com isso, reposição salarial para o funcionalismo, o que gera contrariedade. O índice é previsto na Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) para 2017. A expectativa do Palácio Piratini é de que o texto seja votado, amanhã, na Assembleia Legislativa.

Sartori disse que o esforço deve ser de toda a sociedade em aceitar as condições impostas pelo texto. Ele evitou endereçar recados ao Judiciário, que sustenta que o serviço vai ficar inviabilizado com o congelamento, mas rebateu as críticas do presidente do Tribunal de Justiça, Luiz Fernando Difini, garantindo que houve conversas e negociações com o Judiciário.

“Todos os Poderes têm as suas preocupações, mas o Estado pertence a todos e toda a sociedade tem que compartilhar. Nós não temos nenhum recado para o Judiciário, respeitamos os outros Poderes e cada um tem um papel importante. Recado a gente não dá, nós dialogamos, respeitamos, mas divergências poderão existir”, declarou.

Sartori ainda atrelou nomeações na Segurança Pública à aprovação da LDO e afirmou que, da boca dele, não saiu nenhuma palavra confirmando contratações.

Pela manhã, o PDT que é resistente as matérias mais rígidas do governo se demostrou favorável à LDO se houver retorno com suplementação orçamentária. “É possível e o governo possa estabelecer um decreto prevendo uma suplementação orçamentária. O governador Sartori já acenou nesse sentido. Temos que buscar essa garantia com o governo e o próprio Judiciário sabe que essa medida já aconteceu nessa gestão, com um índice de 10% em relação à peça orçamentária original”, declarou o deputado Eduardo Loureiro (PDT).

A peça orçamentária prevê receita de R$ 52 bilhões. O governo sustenta que sem o congelamento, o impacto de um índice de 10% sobre as despesas pode superar R$ 1,7 bilhão, o que hoje é insustentável para o governo.

Fonte:Rádio Guaíba