Rádio Guaíba: BM recua e decide que Força Nacional vai atuar no policiamento ostensivo da Capital

136

thumb (2)Intenção divulgada de início era encaminhar tropa à guarda de presídios, em substituição aos PMs que fazem esse serviço

Em nota divulgada no fim da tarde desta sexta-feira, o Comando Geral da Brigada Militar informou que 120 integrantes da Força Nacional de Segurança, que chegarão ao Estado até domingo, começarão a atuar no policiamento ostensivo em Porto Alegre. O destino da tropa foi reavaliado, após o governo chegar a divulgar, no início do dia, a intenção de empregar os militares da FNS na guarda externa de presídios, substituindo os PMs que fazem hoje esse serviço.

Os policiais devem ser incorporados ao efetivo da Operação Avante, que reforça o policiamento em áreas conflagradas pela disputa de facções criminosas na Capital, desde o início do ano. Na próxima segunda-feira, a BM deve realizar uma formatura de integração entre os PMs e a tropa enviada pelo governo federal, em horário e local ainda não definidos.

Outros 30 homens da Força Nacional devem chegar ao Estado nos próximos dias, conforme informação divulgada no fim da manhã pelo governador José Ivo Sartori, após encontro com o presidente interino Michel Temer. Até a definição de um novo nome para a Secretaria de Segurança Pública, o vice-governador, José Paulo Cairoli, responde pela pasta e pelo Gabinete de Crise criado pelo governo.

Saiba mais

O governador deixou Brasília no início da tarde, e reforçou que já vinha mantendo diálogo sobre a possibilidade de auxílio das tropas federais. “Nós achávamos que tínhamos a nossa própria capacidade em primeiro lugar, mas conversamos com o governo federal em todas as ocasiões. Tanto é verdade que, agora, ficamos sabendo que também não poderá atender a tudo que nós desejávamos. Mesmo assim, quando das Olimpíadas, fomos solicitados para oferecer um contingente e, inclusive, tivemos algum estresse no relacionamento porque não podíamos conceder”, declarou Sartori.

O governador também cobrou a construção de presídio federal no Estado e mais armas e equipamentos para as equipes de segurança pública.

Já o chefe da Casa Civil, Márcio Biolchi, esclareceu que a vinda da Força Nacional deve ser temporária, até que os novos policiais militares sejam formados e estejam nas ruas no início do próximo ano.

Fonte:Bibiana Borba/Rádio Guaíba