CORREIO DO POVO: PDT decide deixar o governo Sartori

208

Apenas sete dos cerca de 300 integrantes presentes no diretório estadual defenderam a permanência

O PDT gaúcho confirmou nesta segunda a saída da base aliada do governo José Ivo Sartori (PMDB). Durante encontro na sede do partido, em Porto Alegre, apenas sete dos cerca de 300 integrantes presentes no diretório estadual defenderam a permanência. A votação ocorreu depois de discursos fortes contra o governo.

A decisão já havia sido antecipada na semana passada, durante jantar de parte da bancada com Sartori, e ocorre em meio ao encaminhamento da votação do restante dos projetos do pacote do Executivo na Assembleia, onde a legenda soma sete parlamentares.

Mais cedo, o presidente nacional do PDT, Carlos Lupi, antecipou a tendência de saída da base de Sartori. “É isso mesmo. Acabamos de conversar com a Executiva estadual e há uma ampla maioria achando que nós precisamos construir nosso caminho de candidatura própria. Os atos que governador vem tomando em relação às privatizações nos separa de uma maneira irremediável. A tendência majoritária do partido é sair do governo e construir seu caminho”, sentenciou.

Sobre a indicação de Jairo Jorge, ex-prefeito de Canoas, ao cargo de pré-candidato ao Palácio Piratini em 2018, Carlos Lupi avaliou. “Caminha para isso. A tendência é de que ele consiga essa unanimidade dentro do partido”, pontou.

Relações conturbadas

Em discussões internas do PDT para encaminhar a candidatura ao Piratini em 2018, movimentos adotados pela legenda em 2010, 2014 e 2016 a partir de pressões de alas partidárias vem sendo questionados internamente. Em 2010, após integrar e deixar o governo Yeda Crusius (PSDB), a legenda disputou o governo como vice do PMDB. Mas, tão logo o adversário Tarso Genro (PT) venceu, aderiu ao vitorioso.

No final de 2013, após Tarso oferecer a vaga de vice e “metade do espaço” em um eventual segundo mandato, o PDT cedeu aos argumentos do deputado Vieira da Cunha e de Lasier Martins, que exigiu rompimento com os PT. Vieira ficou em quarto lugar na eleição ao Piratini. Lasier venceu o Senado, mas acabou trocando o PDT pelo PSD. Em 2016, Vieira deixou a Secretaria Estadual da Educação sob o pretexto de disputar a prefeitura da Capital, mas não concorreu.

Fonte:Luiz Sérgio Dibe/Correio do Povo