GRAVATAÍ: Desativação de posto da BM gera reclamações

375

Trabalhadores que esperam ônibus no trecho, na ERS 118, relatam insegurança e casos de assaltos

Com a desativação do Posto Rodoviário da Brigada Militar (BM) no km 11 da ERS 118, em Gravataí, trabalhadores reclamam da sensação de insegurança ao aguardar o ônibus no ponto nas proximidades ou desembarcar no local. O prédio, desocupado desde novembro de 2016, tem sido utilizado por usuários de drogas e como esconderijo após assaltos, segundo relatos. Um operador de máquinas de 36 anos diz que, após ser surpreendido duas vezes por homens em uma moto, nunca mais esperou o ônibus ao lado do posto. “Fiquei traumatizado. Na primeira vez, levaram todo o meu salário. Na outra, me ameaçaram de morte. Hoje, eu caminho quase 3 quilômetros até chegar em casa.” Uma auxiliar de escritório de 38 anos conta que ela e colegas procuram sempre sair da empresa em grupo. “Está cada vez mais perigoso.” O posto foi desativado pelo Estado em razão das obras de duplicação da ERS 118. Os 12 policiais militares foram remanejados para Viamão. Em nota, o superintendente regional do Departamento Autônomo de Estradas de Rodagem (Daer) em Esteio, Ernesto Eicher, informou que a destruição da estrutura deve acontecer em breve e, no local, será construí- da uma rua lateral, como parte do projeto da duplicação. O comandante do 17? Batalhão da Polícia Militar de Gravataí, tenente coronel Vanderlei Mayer Padilha, disse que as equipes realizam patrulhamento ostensivo naquele trecho da ERS 118 e admitiu que o local é ermo. “O ideal é que as pessoas nos procurarem para relatar fatos, dias e horá- rios em que vêm acontecendo os delitos. Dessa forma, podemos montar patrulhas mais específicas. Se não somos informados, não temos registros.”

CORREIO DO POVO