“Não cabe a mim analisar a origem do dinheiro”, diz Sartori sobre repasse de recursos da JBS para campanha

286

Governador comentou neste final de semana recebimento de recursos apontados como sendo propina, segundo executivo da JBS

O governador do Rio Grande do Sul comentou neste final de semana a citação do seu nome na delação de executivo do grupo JBS, que afirmou ter repassado propina à campanha eleitoral de José Ivo Sartori em 2014. Ricardo Saud disse que o valor de R$ 1,5 milhão foi enviado à campanha como “doação oficial dissimulada” a pedido do senador Aécio Neves, que concorria à Presidência e foi apoiado por Sartori.

Em agenda neste final de semana na Serra Gaúcha, José Ivo Sartori falou publicamente pela primeira vez sobre o caso. Em entrevista à Rádio Solaris, de Antonio Prado, o governador foi questionado se entendia que os recursos eram lícitos.

“Para nós, sim. Agora, se o dinheiro que eles (JBS) praticaram fez outras coisas, isso é outro problema. Não cabe a mim analisar a origem. A nossa campanha prestou contas disso e nossa coordenação esta à disposição para todas as explicações”, afirmou Sartori à Rádio Solaris.

Sartori afirmou que o valor declarado veio diretamente do grupo empresarial. E que confia na apuração dos fatos.

“Ninguém vai me colocar no meio de tudo aquilo que tem nas investigações. Espero que tudo seja apurado eficientemente para que o país volte à normalidade institucional”, afirmou.

O governador esteve no sábado em Antonio Prado e Nova Roma do Sul, onde assinou ordem para licitação de 14 quilômetros de rodovias na região. Serão investidos R$ 19,8 milhões na via que liga os dois municípios.

GAÚCHA