Fatalidade em Ocorrência no município de Putinga leva a morte de Brigadiano e Policial Civil ferido

775

Após cercos para busca de assaltantes a banco no município de Putinga, o Policial Militar  SD Geferson Rosolen é alvejado e entrou em Óbito. Informações preliminares dão conta de que houve uma fatalidade durante as buscas, e o SD Geferson teria confundido o Policial Civil que também estava nas buscas, e ambos acaram trocando tiros, restando o Policial Civil Ferido e o Brigadiano morto.

Tão logo tenhamos mais informações, divulgaremos.

PM é morto e policial civil é baleado em busca a assaltantes em Putinga

Policiais teriam trocado tiros ao não se reconhecerem na ação

Um policial militar, identificado como Geferson Rosolen, 28 anos, morreu e um agente da Polícia Civil foi baleado, na noite desta quarta-feira (7), nas buscas aos bandidos que assaltaram dois bancos em Putinga, no Vale do Taquari. Segundo o delegado Guilherme Pacífico, titular da Delegacia de Polícia (DP) do município, os dois policiais teriam trocado tiros ao não se reconhecerem na ação. Situações adversas, como a escuridão no local e a chuva, teriam dificultado a ação da polícia. As buscas aos criminosos envolvidos nos ataques seguem na noite desta quarta. Rosolen era lotado em Encantado.

O policial civil, atingido em uma das pernas, foi atendido inicialmente no hospital em Putinga. O agente será transferido para Carazinho, conforme o delegado.

No início da tarde desta quarta-feira, duas agências, uma do Sicredi e outra do Banrisul, foram atacadas simultaneamente no município. Informações preliminares indicam que até um avião de pequeno porte integrava a ação dos criminosos na cidade, que fica a 199 quilômetros de Porto Alegre e tem pouco mais de 4,1 mil habitantes.

Na fuga, os assaltantes fizeram reféns de cordão humano e ainda levaram dois funcionários e um gerente do Sicredi — que foram libertados em uma estrada do interior.

Segundo o Comando Regional da Brigada Militar do Vale do Taquari, cerca de 20 guarnições de pelo menos seis cidades atuaram no cerco aos criminosos,que estariam portando armas de cano longo e separados em, pelo menos, dois carros.