Eduardo Leite anuncia Sandro Caron para comandar a Secretaria da Segurança Pública do RS

342

Ele é delegado da Polícia Federal e ex-superintendente da PF no Estado

Foto: Maurício Tonetto/Gabinete de Transição

O governador eleito do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite (PSDB), anunciou nesta sexta-feira (23) que Sandro Caron assumirá a Secretaria da Segurança Pública (SSP). Caron é delegado da Polícia Federal e ex-superintendente da PF no Estado. Ele irá substituir Vanius Santarosa, que ocupa o cargo desde março deste ano.

Sandro Caron tem 47 anos e ingressou na Polícia Federal em 1999. O delegado cumpriu inúmeras funções estratégicas na corporação – sendo que, em 2011, foi para o Ceará, onde assumiu o posto de Superintendente Regional da PF. Em 2013, retornou ao Rio Grande do Sul, onde exerceu o mesmo cargo na corporação.

Em 2015, o próximo secretário de Segurança Pública gaúcho foi nomeado como Diretor de Inteligência Policial. Dois anos mais tarde, assumiu a função de Adido Policial na capital de Portugal, Lisboa. Desde 2020, Caron chefiava a Secretário da Segurança Pública do Ceará participando das gestões de Camilo Santana (PT) e Izolda Cela (sem partido).

Secretariado

Aos poucos, Leite vem formando seu secretariado. Nessa quarta-feira, ele anunciou o nome de Pricilla Maria Santana, que comandará a Secretaria da Fazenda. Ela é funcionária de carreira do Ministério da Fazenda, onde desde 2015 ocupava a subsecretaria de Relações Financeiras e Intergovernamentais da Secretaria do Tesouro Nacional (STN).

A futura secretária participou da formulação do Regime de Recuperação Fiscal (RRF) e, por parte do governo federal, também das negociações feitas para a adesão do RS ao mesmo. Durante a coletiva de imprensa que sucedeu o anúncio, ela lembrou que o programa prevê discussões anuais sobre suas condições, e possibilidade de repactuações.

FONTE Rádio Guaíba e Correio do Povo

NOTA ABAMF

A ABAMF inicialmente, deseja sucesso ao novo indicado para esta importante pasta, que é a segurança pública, secretaria responsável por politicas que impactam na vida de milhões de gaúchos, principalmente nos servidores que executam essa tarefa no Estado.

A Segurança pública é um barco, de um lado rema os investimentos em estrutura, viaturas, equipamentos e tecnologias, do outro lado rema o ser humano, o policial. As remadas tem que ser equânimes, ou a embarcação passará a andar em círculos e não sairá do lugar.

Reconhecemos os investimentos feitos pela atual gestão em equipamentos, viaturas, armamentos. Mas para esse segundo mandato, esperemos do governo do estado um olhar melhor aos responsáveis pela segurança pública, sem os quais de nada adianta viaturas ou armamentos modernos. Esperamos que injustiças cometidas, como a quebra da verticalidade para soldados e sargentos seja revista, que a carreira dos graças, um das mais entravadas do Brasil, por fim tenha andamento, fazendo justiça aos policiais militares do Rio Grande do Sul

José Clemente – Presidente da ABAMF