‘Bancada da bala’ domina Comissão de Segurança da Câmara – Retomada da luta pela PEC300

131
A partir da esquerda: os dois de costas são João Campos e Delegado Waldir; na sequência: Alberto Fraga, Capitão Augusto, Jair Bolsonaro, Eduardo Bolsonaro, Delegado Éder Mauro, Gilberto Nascimento, Delegado Edson Moreira, Cabo Sabino e Laerte Bessa - Evandro Éboli / O Globo Leia mais sobre esse assunto em http://oglobo.globo.com/brasil/delegados-policiais-cabos-da-bancada-da-bala-dominam-comissao-de-seguranca-da-camara-15520902#ixzz3TuPQ77mV  © 1996 - 2015. Todos direitos reservados a Infoglobo Comunicação e Participações S.A. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.
A partir da esquerda: os dois de costas são João Campos e Delegado Waldir; na sequência: Alberto Fraga, Capitão Augusto, Jair Bolsonaro, Eduardo Bolsonaro, Delegado Éder Mauro, Gilberto Nascimento, Delegado Edson Moreira, Cabo Sabino e Laerte Bessa – Evandro Éboli / O Globo 

Grupo tem 51% dos 33 cargos de titular na comissão. Com maioria, grupo poderá aprovar os projetos de sua autoria

A “bancada da bala” da Câmara, reforçada nesta legislatura, domina a Comissão de Segurança Pública da Casa. Dos 33 titulares da comissão, 17 (51%) são parlamentares egressos de corporações das polícias Militar, Civil e Federal; do Exército e dos Bombeiros. Com essa composição, esse grupo terá a maioria e poderá aprovar os projetos de sua autoria. A bancada já anunciou que pretende extinguir o limite de idade para criminalizar menores que cometem crimes, querem acabar com o direito de presos condenados a visitas íntimas e também aos “saidões”, como ocorre no Natal e em outras datas; e desburocratizar e ampliar o acesso ao porte de arma pela sociedade.

Vários desses parlamentares apresentaram a patente da corporação como nome eleitoral e o adotam na Câmara. Entre os integrantes da comissão estão: Delegado Edson Moreira (PTN-MG), Delegado Éder Mauro (PSD-PA), Delegado Waldir (PSDB-GO), Capitão Fábio Abreu (PTB-PI), Capitão Augusto (PR-SP), Major Olimpio (PDT-SP), Cabo Daciolo (PSOL-RJ) e Cabo Sabino (PR-CE). Os Bolsonaro – pai (Jair) e o filho (Eduardo) – estão na comissão. No outro extremo, o PT indicou o Padre João (MG) para compor a Comissão de Segurança.

Nesta quinta-feira, a briga pela presidência da Comissão de Direitos Humanos da Câmara teve mais um desdobramento. Numa contra ofensiva à ação da bancada evangélica de lançar o deputado Sóstenes Cavalcante (PSD-RJ) como candidato avulso contra o candidato do PT, Paulo Pimenta (RS), o PSD tirou Sóstenes da vaga de titular e indicou-o como suplente da comissão. Com essa medida, Sóstenes não poderá manter a candidatura como avulso porque apenas titulares podem concorrer. Sóstenes é pastor da Assembleia de Deus em Jacarepaguá e afilhado político do pastor Silas Malafaia.

Um abaixo-assinado endossado por mais de 100 Organizações Não-Governamentais foi entregue aos parlamentares da Câmara dos Deputados contra a nomeação do deputado Jair Bolsonaro, (PP-RJ), ou de aliados da Frente Parlamentar da Segurança Pública, para a presidência da Comissão de Direitos Humanos da Casa. O documento pede para que a escolha seja feita de acordo com a “afirmação dos direitos humanos”.

Evandro Éboli – O Globo

PolicialBR