RADIO GUAÍBA: Sindicatos e aprovados cobram Sartori pelo chamamentos de novos policiais

196
Concursados da Segurança Pública protestam em frente ao Piratini | Foto: André Ávila
Concursados da Segurança Pública protestam em frente ao Piratini | Foto: André Ávila

Cerca de 660 policiais civis e 2,4 mil brigadianos e bombeiros aprovados aguardam convocação

Centenas de aprovados nos últimos concursos da Segurança Pública do Estado lotaram a audiência pública que debateu o tema nesta manhã na Assembleia Legislativa gaúcha. Após o debate, por volta do meio-dia, os aprovados, descontentes com a postura do Governo do Estado, iniciaram um protesto em frente ao Palácio Piratini, exigindo o chamamento de cerca de 660 policiais civis e 2,4 mil brigadianos e bombeiros.

Leonel Lucas, presidente da Abamf, associação que representa os servidores de nível médio da Brigada Militar, resume os cortes de recursos promovidos pelo governador José Ivo Sartori somados a não sinalização de chamamento dos aprovados, como falta de responsabilidade.

“Com todos os cortes que ele (governador Sartori) fez, ele não tem responsabilidade nenhuma com a Segurança Pública. Se ele tivesse responsabilidade com a Segurança Pública, não teria tantos cortes e esse povo já estaria dentro da Brigada Militar. São 22 PM’s por dia pedindo aposentadoria e nós temos novos concursados já aptos e o governo não sinaliza com nada”, disse Lucas.

O secretário de Segurança Pública do Estado, Wantuir Jacini, foi convidado para o evento, mas não compareceu, sendo representado pelo Diretor de Gestão Estratégica, coronel Luiz Porto. Ele admite a necessidade de mais policiais para suprir aqueles que se aposentam todo ano e aponta o diálogo como solução.

“O ideal é aquilo que pode ser feito. Não adianta nós sonharmos que nós vamos ter 50 mil policiais, porque não há essa possibilidade. Claro que preocupa, pois somente na Brigada Militar são cerca de mil policiais que se aposentam por ano. Mas, por outro lado, é preciso que se reconheça que o governo tem recém 90 dias e está tentando criar soluções. Diálogo, essa é a palavra”, defendeu o diretor que, antes, em fala ao público presente no Teatro Dante Barone, foi bastante vaiado. Entre os deputados da base, pressionados pelos aprovados, somente Marcel Van Hattem (PP) participou da audiência.

Se não houver avanços, os sindicatos que representam policiais militares e civis, além dos aprovados, cogitam iniciar um acampamento permanente em frente à sede do Executivo estadual. A Brigada Militar tem hoje cerca de 14,5 mil servidores, enquanto a Polícia Civil conta com aproximadamente 5,7 mil.

Eles reivindicam a nomeação de cerca de 3 mil aprovados

thumb

 

Fonte:Gabriel Jacobsen/Rádio Guaíba