Conselho da UGEIRM aprova Paralisação Estadual no dia 28 de abril

124

FotoRepresentantes de todo o estado participaram da reunião do Conselho da UGEIRM nesta sexta-feira, dia 17 de abril, na sede do sindicato.

Os cortes na Segurança Pública e as constantes ameaças aos direitos dos servidores, veiculadas pela imprensa, foram o principal debate da reunião que apontou um calendário de mobilização. A primeira ação será uma Paralisação Estadual no dia 28 de abril contra o possível não cumprimento da realização das promoções previstas para 21 de abril, Dia da Polícia Civil. O objetivo é parar e promover atos na frente dos locais de trabalho em todo o estado.

Até o momento, não há confirmação sobre a efetivação do pagamento, o que gera muita ansiedade entre os policiais civis que aguardam a sua promoção. A expectativa da UGEIRM é de que seja mantida a regularidade dos acordos pré-estabelecidos. O presidente Isaac Ortiz destacou que o sindicato está aberto ao diálogo, mas quer que o governo apresente uma data para o cumprimento das promoções.

Foto_conselho_internaAlém disso, as constantes notícias na imprensa, cogitando cortes de direitos, tem gerado um clima de terrorismo e insegurança na categoria. No dia 6 de abril, por exemplo, o jornal Zero Hora veiculou uma notícia com a possibilidade do Governo do estado adiar os aumentos destinados aos servidores da Segurança Pública, previstos para maio e novembro deste ano. Segundo o jornal, fontes ligadas à cúpula do Palácio Piratini afirmam que uma das hipóteses é abrir a mesa de negociações para tentar reprogramar os benefícios assinados pelo então governador Tarso Genro. Porém, nem o atual secretário da Fazenda, Gioviani Feltes, nem o governador do estado, José Ivo Sartori, comentaram o assunto.

Em entrevista ao jornal, Ortiz declarou que a hipótese de modificação nos pagamentos da categoria é absurda, pois o próprio governador garantiu, durante a campanha eleitoral, que não suspenderia os reajustes. “Não fomos contatados pelos representantes do governo, mas, de antemão, rejeitamos qualquer abertura de negociação que suprima direitos conquistados duramente”. Para Ortiz, a categoria tem urgente necessidade de repactuar com o governo questões como o Estatuto da Polícia Civil ou a recomposição do efetivo. “Para isso estamos abertos”, conclui.

Cortes de horas extras e o contingenciamento na Polícia tem afetado diretamente o trabalho das delegacias e, consequentemente, a vida da população gaúcha. A UGEIRM alerta para o risco de um desmonte da Segurança Pública, gerando ainda mais violência.

A paralisação também será contra qualquer alteração nas regras da aposentadoria dos policiais e pela convocação imediata dos 650 concursados que mantêm um acampamento em frente ao Palácio Piratini desde o dia 30 de março.

A reunião do Conselho contou com a presença do secretário geral da ABAMF, Ricardo Agra, e o presidente da AMAPERGS, Flávio Berneira. Eles foram prestar solidariedade e pretender debater com suas categorias a possibilidade de se somar às mobilizações da Polícia Civil.

Os representantes saíram da reunião convictos da necessidade de mobilizar a categoria. A UGEIRM fará visitas às delegacias na próxima semana para conversar com os colegas e organizar uma grande PARALISAÇÃO no dia 28 de abril.

POR QUE PARALISAR?

– Pela realização das promoções no dia 21 de abril;

– Pelo cumprimento da tabela de subsídios, com reajustes previstos para maio e novembro deste ano;

– Contra o atraso nos salários, os cortes de horas extras e o contingenciamento na Segurança Pública;

– Contra a alteração nas regras da aposentadoria dos policiais;

– Pela convocação imediata dos 650 concursados;

– Contra o desmonte da Segurança Pública que causa insegurança à população gaúcha.

Portanto, dia 28 de abril, PARE em legítima defesa!

FONTE: UGEIRM