Força-tarefa para frear violência entre jovens em Santa Maria

224
Foto: Gabriel Haesbaert / Especial
Foto: Gabriel Haesbaert / Especial

Ação conjunta entre Ministério Público, Brigada Militar e Polícia Civil deve ocorrer nos próximos dias

Atos de violência envolvendo adolescentes e jovens em Santa Maria nos últimos meses acionaram o sinal de alerta das autoridades de segurança pública. Tanto que uma ação conjunta entre Ministério Público (MP), Brigada Militar e Polícia Civil deve ser desencadeada ainda esta semana para tentar evitar que episódios que resultaram em uma jovem e um adolescente baleados na Praça Saturnino de Brito, em outro adolescente e um homem esfaqueados no Calçadão e, mais recentemente, na morte de um menino de 14 anos se repitam.

Há pelo menos um mês, a Brigada vêm trabalhando na identificação dos integrantes dos “bondes” de Santa Maria – intitulados assim por seus próprios integrantes – e nos principais trajetos feitos por esses grupos para chegarem aos seus pontos de encontro, que são, preferencialmente, áreas centrais da cidade, como o Calçadão, praças e shoppings. O Parque Itaimbé é apontado como o ponto de encontro de um dos bondes. Um cruzamento desses dados com ocorrências já atendidas pela Brigada Militar é feito para que as autoridades cheguem aos nomes dos envolvidos nos grupos.

A partir desse trabalho, a ideia do Ministério Público é chamar os adolescentes envolvidos para prestarem esclarecimentos e, na medida do possível, responsabilizá-los. A operação deve ser desencadeada ainda esta semana

– Vamos trabalhar em uma estratégia para enfrentar esses bondes. Não é uma coisa fácil. Vamos analisar qual o enquadramento jurídico. Quando um grupo tem estabilidade e se reúne para praticar crimes, tem o que o Código Penal chama de formação de quadrilha, que é um ato infracional, e eles podem receber sanção – explica o promotor Antônio Augusto Ramos de Moraes, da Promotoria da Infância e da Juventude de Santa Maria.

Unindo esforços

Para a titular da Delegacia de Proteção a Criança e ao Adolescente, Carla Dolores Castro de Almeida, o trabalho da sociedade deve ser em conjunto:

– Precisamos, todos aqueles atores sociais, que trabalham diretamente com a criança e o adolescente, sim, pensar e ver o que podemos fazer para conseguir ações mais efetivas, tanto na prevenção quanto na repressão.

Cada caso será analisado individualmente, já que esses grupos podem abrigar adolescentes que estejam envolvidos em outros atos infracionais, além da possibilidade da caracterização de formação de quadrilha.

Com ações preventivas e punições

Para o promotor Antônio Augusto Ramos de Moraes, da Promotoria da Infância e Juventude de Santa Maria, a ideia é fazer uma ação preventiva, tentando levar os adolescentes infratores e seus pais até o Ministério Público para orientação e advertência, de modo que haja um melhor acompanhamento da situação desses adolescentes.

De acordo com o promotor, são previstas cinco medidas possíveis para punir adolescentes envolvidos em atos infracionais: liberdade assistida, prestação de serviço comunitário e advertência, as chamadas medidas de meio aberto. Semiliberdade e internação são medidas mais duras, as chamadas de meio fechado. Caso sejam responsabilizados por formação de quadrilha, a punição deve ser enquadrada em alguma medida de meio aberto.

Sim, eles próprios se intitulam bondes

Por mais que esses grupos não se enquadrem totalmente em ações que caracterizam os chamados bondes, como promover pichações e praticar roubos, essas aglomerações de adolescentes e jovens que vêm ganhando notoriedade em Santa Maria são identificadas como bondes. Isso pelo simples fato de que seus próprios integrantes gostam de ser chamados assim.

Em Santa Maria, seriam pelo menos dois grupos batizados de bonde, um da Zona Leste, e outro, da Zona Norte. E ambos seriam marcados pela rivalidade. Já a Brigada Militar diz que há pelo menos cinco grupos como esses, mas que a maioria apenas reúne-se no Centro para passear, e não para cometer crimes.

Além dos dois grupos, existe a possibilidade da existência de um terceiro, que também seria da Zona Norte. Apesar de não se saber ao certo o porquê da rivalidade entre os bondes da Zona Norte e da Zona Leste, o Ministério Público (MP) trabalha com duas hipóteses. Uma dá conta de que tudo teria começado porque um integrante de um grupo teria se envolvido com a namorada de um adolescente de outro grupo. A segunda é a de que um grupo teria assaltado integrantes da outra turma.

– Não sei bem qual é a causa, mas pode até ser as duas juntas. De uma causa específica, aconteceram outras, e, nessa evolução, é que chegamos no ponto em que nos encontramos hoje – afirma o promotor Antônio Augusto Ramos de Moraes, da Promotoria da Infância e da Juventude de Santa Maria.

Brigada continuará monitorando os grupos

A Brigada Militar fará um monitoramento contínuo dos grupos, suas rotas e seus pontos de encontro. Locais como o Parque Itaimbé, que seria ponto de encontro de integrantes de um dos bondes de Santa Maria, e as rotas utilizadas pelos adolescente e jovens para chegar ao centro da cidade, onde geralmente ocorrem os confrontos, receberão atenção especial da polícia.

– É um trabalho permanente. Vamos continuar com o acompanhamento desses grupos de diversas formas, com a inteligência, com o policiamento mais alerta a esses grupos nesses pontos de encontros. Vamos verificar o nome das pessoas que foram pegas com armas, verificar se há alguma vinculação e levar isso ao MP (Ministério Público).

Recentemente, a pedido do Ministério Público, que recebeu uma denúncia anônima informando sobre uma festa que ocorreria na Nova Santa Marta, Região Oeste da cidade, a Brigada Militar reforçou o policiamento nos arredores do local –, uma residência particular.

Esse reforço ocorreu antes e depois da festa, nos trajetos que levavam até a festa. Porém, nenhuma ocorrência foi registrada na ocasião.

 

SINAL DE ALERTA ACIONADO

Confira, abaixo, episódios de violência envolvendo jovens e adolescentes na cidade:

16/11/2014 _ Por volta das 18h, no Parque Itaimbé, um adolescente teria disparado contra um grupo rival. Ninguém ficou ferido e não houve presos ou apreendidos.

25/01/2015 _ Por volta das 17h, uma confusão próximo a Concha Acústica, no Parque Itaimbé, terminou com tiroteio. Ninguém ficou ferido e ninguém foi preso.

05/02/2015 _ Por volta das 23h30min, dois homens que estavam na frente de uma casa perto da Rua Tuiuti, no centro, foram agredidos com correntes, facas e socos por um grupo de cerca de 10 jovens e adolescentes. As vítimas tiveram ferimentos na cabeça, nas costas e nos braços. Um suspeito foi detido e liberado.

26/02/2015 – Dois homens armados com facas investiram contra um terceiro no meio do Calçadão, por volta das 16h.O homem desarmado foi ferido por um golpe na altura da panturrilha, próximo à Rua Floriano Peixoto. Os autores fugiram e a vítima foi socorrida.

04/03/2015 – Um tiroteio na Praça Saturnino de Brito, na volta às aulas das universidades, deixou uma jovem e um adolescente feridos. Foi um dos sinais mais fortes das brigas entre os bondes, já que a principal suspeita era de que os disparos tinham relação com a rivalidade entre os grupos da Zona Norte e Zona Leste.

13/03/2015 _ Um adolescente de 15 anos foi esfaqueado, por volta das 15h30min, no meio do Calçadão. A vítima sofreu um corte na cabeça, foi socorrida pelo Samu e encaminhada à Unidade de Pronto-Atendimento (UPA), onde levou 12 pontos. Os suspeitos da agressão não foram localizados.

19/04/2015 _ Dian Luca dos Santos Soares, 14 anos, foi morto com dois tiros, por volta das 18h30min, por Alifer da Silva Faria, 18 anos, na Rua Ângelo Uglione. A confusão teria começado nas redondezas da Praça Saldanha Marinho.

DIÁRIO DE SANTA MARIA