Operação Abas Largas coloca mais 50 policiais militares em patrulha pelas ruas de Santa Maria

222
Foto: 1º RPMon / Divulgação
Foto: 1º RPMon / Divulgação

Helicóptero do Batalhão de Aviação da BM acompanhou as rondas da manhã deste sábado

Após a Operação Grifo, deflagrada pelo Batalhão de Operações Especiais (BOE) na sexta-feira, no sábado, foi a vez da Operação Abas Largas fazer rondas por diferentes bairros de Santa Maria.

Desde às 7h, mais de 50 policiais militares do 1º Regimento de Polícia Montada (1º RPMon) estão em patrulha pelas ruas da cidade. Conforme o major Paulo Antônio Flores de Oliveira, que responde pelo comando do Regimento, até o meio-dia, foram abordadas 90 pessoas e 15 veículos. Quatro facas e duas gramas de maconha foram apreendidas.

— O objetivo da manhã foi desenvolver ações de fiscalização de trânsito, identificação de pessoas e, principalmente, aumentar o patrulhamento ostensivo nas ruas — relata o major.

O helicóptero do Batalhão de Aviação da Brigada Militar (BM) acompanhou os trabalhos da manhã, quando foram montadas barreiras móveis com rodízio de locais, como: Avenida Rio Branco, Vila Carolina, Beco da Tela, em Camobi, Parque Itambé, bairro João Goulart e bairro Menino Jesus. A região oeste, em especial a Nova Santa Marta, recebeu patrulhamento reforçado.

Para a tarde, a previsão é intensificar as abordagens próximo a parques e supermercados. De acordo com o comandante, a definição dos locais se deu por conta dos índices de criminalidade e, também, pela concentração de pessoas:

— Registramos dois homicídios em supermercados há poucos dias. Como sabemos que o sábado costuma ser um dia de vendas — já que no domingo os mercados não abrem — , vamos intensificar o patrulhamento desses locais e, também, nos parques, já que durante os finais de semana — em especial quando o tempo está bom — há uma circulação maior de pessoas — explica o major.

A Operação Abas Largas visa coibir delitos em geral, em especial roubos, furtos e relacionados ao tráfico de drogas. O diferencial da operação são as barreiras móveis, que permanecem cerca de 30 minutos em cada ponto da cidade, o que aumenta o número de locais abordados.

ZERO HORA