Bandidagem invade interior do Estado

132
IMAGEM ILUSTRATIVA
IMAGEM ILUSTRATIVA

Wanderley Soares

Reforço no policiamento ostensivo é um dispositivo cimentado na retórica das cúpulas da segurança pública do RS sempre que ocorre uma maior incidência de delitos de maior gravidade aqui, ali, acolá. Como há falta de efetivo, reforçar um lado equivale a enfraquecer outro lado. Este quadro se complica na medida em que as quadrilhas organizadas conhecem bem este jogo e atacam onde a polícia, com certeza, estará ausente. Assim é que a interiorização dos assaltos a bancos tem a tendência de crescer e, para contê-los, reforçar o interior corresponderá a fragilizar ainda mais a Capital e a Região Metropolitana.

Nas últimas horas isto ficou flagrante com os ataques ocorridos em Dois Lajeados, no Vale do Taquari, em Três Forquilhas, no Litoral Norte, e em Canguçu, no Sul do Estado. Os ataques foram contra agências do Banco do Brasil, Banrisul e Santander, respectivamente. Maior gravidade teve a ação dos bandidos em Dois Lajeados, onde houve explosões e rajadas de tiros. O único brigadiano da cidade teve de fugir depois de sua viatura ser alvejada. Sobre a estratégia de policiamento, sigam-me.

Papel

No item II das normas de policiamento estabelecidas pela SSP (Secretaria da Segurança Pública), está definida assim a Força Tática: “A operação “Força Tática” consiste na atuação junto a estabelecimentos bancários e/ou que realizem transações financeiras, bem como em locais com concentração de estabelecimentos comerciais e grande fluxo de pessoas com o objetivo de inibir a ocorrência de furtos e roubos aos respectivos estabelecimentos e aos clientes e cidadãos em geral”. É bonito isso no papel, mas quando chega a noite nada funciona, especialmente no interior. Então, é aplicada a estratégia do reforço. Nesta esteira, está sendo mantida a promessa de reduzir em quatro por cento a criminalidade no RS. Em cinco por cento ninguém arrisca falar.
O SUL

Brigadiano que trabalhava sozinho em Dois Lajeados foi alvo de mais de 30 tiros
Ouça abaixo o relato do brigadiano

Falta de policiamento preocupa moradores do interior