MANIFESTAÇÕES INICIAM-SE EM PORTO ALEGRE

144
 PROTESTO EM CAXIAS DO SUL
PROTESTO EM CAXIAS DO SUL

PMs fazem operação padrão e restringem policiamento ostensivo

Brigadianos se recusam a sair às ruas com viaturas em condições irregular e sem fardamento adequado neste domingo

A paralisação dos servidores da segurança anunciada para a segunda-feira (3), após o parcelamento dos salários, já tem adesões neste domingo (2), limitando o trabalho em batalhões de todo o Estado. Segundo o presidente da Associação dos Cabos e Soldados da Brigada Militar, sargento Leonel Lucas, a orientação repassada é de que nenhum brigadiano vá para a rua se a viatura não estiver regular, tanto na parte mecânica quando de licenciamento do veículo.

“Queremos fazer cumprir a lei. Segurança em primeiro lugar. Orientamos que não se peçam mais que a comunidade arrume as viaturas com algum dano”, afirmou nesta manhã.

O sargento ressaltou que a operação padrão não se limita às motos e aos automóveis, mas também aos uniformes dos policiais e até ao armamento.

“Quem tem fardamento particular, deve dizer ao seu comandante que não tem como trabalhar. É comum hoje o brigadiano comprar coturno com dinheiro próprio e trabalhar com colete vencido. Munição vencida também não pode ser utilizada”, afirma Leonel Lucas.

O presidente da associação disse que ninguém deixou de comparecer ao trabalho neste domingo, mas que, no caso dos coturnos, deve ir trabalhar de tênis, ficando assim limitado ao expediente interno.

Em Porto Alegre, o 19º e o 20º Batalhões de Polícia não têm nenhuma viatura em circulação. O 11º e o 21º BPM têm apenas um carro na rua, em cada unidade.

O fiscal de serviço externo do 20º BPM sargento José Philipp Guerreiro da Silva afirma que os policiais não têm intenção de deixar a população desassistida, mas que isso depende dos recursos.

“Não se nega nenhuma ocorrência, mas atendemos dentro do que a ferramenta do Estado proporciona. À tarde, policiais farão ronda a pé na área. E, quando necessário, vamos deslocar carros de outros batalhões”.

Situações semelhantes ocorrem em outros municípios do Estado. Em Pelotas, na zona sul, e em Santana do Livramento, na Fronteira Oeste, desde a noite de sábado os brigadianos fazem operação padrão.

“A constituição diz que a gente não tem direito de fazer greve, então a gente faz tudo dentro da legalidade, e não sair com viatura irregular faz parte disso”, afirmou o presidente da Associação de Cabos e Soldados de Pelotas, Neimar Lima.

Em Santana do Livramento, todas as viaturas da cidade têm algum problema, segundo a Associação dos Cabos e Soldades regional. Os agentes fazem o policiamento apenas a pé.

 

GAÚCHA