Prefeito de Novo Hamburgo quer ajuda da Força Nacional de Segurança

167
Foto: Arguivo GES Prefeito faz críticas ao governo do Estado
Foto: Arguivo GES
Prefeito faz críticas ao governo do Estado

Preocupado com a onda de violência na cidade, Luis Lauermann critica falta de investimento estadual e quer o apoio da Força Nacional de Segurança

Preocupado com a assustadora onda de violência na cidade, o prefeito de Novo Hamburgo, Luis Lauermann, quer o apoio do governo do Estado para que a Força Nacional de Segurança venha para o Município. Ao ser entrevistado nesta quinta-feira, reclamou ainda que a Secretaria da Segurança Pública do Rio Grande do Sul não atendeu seu pedido, feito em maio deste ano, para que mais policiais militares fossem enviados para a cidade.
Disse ser “inaceitável” que Novo Hamburgo tenha o menor número de policiais militares dos últimos 20 anos. Frisou ainda que, proporcionalmente, Novo Hamburgo é a cidade que mais gasta com segurança pública. “São Leopoldo, por exemplo, não quis nenhuma equipe de policiamento comunitário. Nós temos 14 equipes de Polícia Comunitária. E essa despesa é por nossa conta”, exemplificou.
Entrevista
Por que pedir a Força Nacional de Segurança na cidade?
Luis Lauermann – Trata-se de um policiamento treinado, especializado e que pode reforçar o trabalho dos nossos brigadianos e das nossas polícias. Eles podem nos ajudar a combater a violência e enfrentar os marginais. Esse não é só o pedido do prefeito, mas da comunidade, do nosso povo. Nós queremos entender por que o governo estadual não quer pedir o auxílio da Força Nacional de Segurança. Eu não sou o primeiro prefeito que faz esse pedido. O secretário de Segurança disse não haver necessidade. Nós temos a certeza da necessidade. Por isso, estamos fazendo essa reivindicação ao secretário estadual da Segurança Pública, Wantuir Jacini. Eu quero compreender por qual motivo ele não aceita a Força de Segurança aqui. Ela é de graça. Não custa nada ao Estado.
O senhor reclama do defasado contingente da Brigada Militar na cidade. Como está esta situação?
Lauermann – Eu fico indignado ao analisar os últimos 20 anos. Estamos com o menor número de policiais neste período. É inaceitável que esta situação continue.
E que tipo de ações na área de segurança o Município está tomando?
Lauermann – Nós temos uma das guardas municipais mais atuantes do Estado. Nossa Guarda faz um excelente trabalho. A Prefeitura de Novo Hamburgo investe mais de R$ 1 milhão todos os meses na folha de pagamento dos nossos guardas. Trata-se de uma das maiores guardas municipais do Estado. O videomonitoramento também é realizado pela Guarda. Não é o Estado que paga isso, é a Prefeitura. Da parte do nosso governo tem todas as ações possíveis na área de segurança. Entretanto, sofremos porque temos o menor número de brigadianos dos últimos 20 anos.
Há um grupo de hamburguenses que tomou a iniciativa de buscar alternativas para diminuir a violência na cidade. Que tipo de apoio a Prefeitura dá para o movimento #PAZ?
Lauermann – Fizemos uma parceria com eles e colocamos mais câmeras de vigilância em nosso presídio. A Prefeitura pagou o equipamento e, por isso, diminuíram muito as fugas do semiaberto. Várias ações que nem são da alçada do Município nós estamos fazendo. Mas devemos lembrar que pela Constituição a primeira responsabilidade de oferecer segurança é do Estado. Mesmo assim, nós pagamos mais de R$ 400 mil por ano de despesas com a implementação do Policiamento Comunitário da Brigada Militar. Ou seja, não falta esforço da nossa parte. Da nossa parte fica bem claro que não falta apoio para essas iniciativas, entre elas as do grupo #PAZ. Nós somos a cidade que, proporcionalmente, mais gasta com segurança pública.
JORNAL NH