Acusados de matar PM em assalto em saída de baile condenados pela justiça

143
PM Ricardo Rocha de Almeida, que estava à paisana, não teve tempo de reagir sendo ferido com um tiro na cabeça
PM Ricardo Rocha de Almeida, que estava à paisana, não teve tempo de reagir sendo ferido com um tiro na cabeça

Envolvidos pegam mais de 60 anos de cadeia cada um

A juíza da 1ª Vara Criminal da Comarca de Passo Fundo, Lisiane Marques Pires Sasso condenou dois acusados da morte do PM, Ricardo Rocha de Almeida, 36 anos, num assalto na saída de um baile no ano passado. Luís Paulo da Costa, foi condenado a 69 anos e 6 meses de reclusão e Jeferson Boeno Monteiro, pegou uma pena de 73 anos e 3 meses de cadeia.

Os acusados estão presos em regime fechado desde a época do crime e encontrando-se recolhidos ao presídio regional de Passo Fundo. Os dois foram condenados pelos crimes de latrocínio – roubo seguido de morte – e roubo – ambos tentados e consumados. O crime ocorreu por volta das 6h30m do dia 7 de setembro de 2014, no final de um baile, na comunidade de Vila Rosso, interior de Passo Fundo.

Os organizadores do baile estavam fazendo a contabilidade, quando quatro homens armados invadiram o salão anunciando o assalto e já foram atirando. O PM Ricardo Rocha de Almeida, que estava à paisana, não teve tempo de reagir sendo ferido com um tiro na cabeça. O policial chegou ser socorrido, mas morreu a caminho do hospital. O presidente da comunidade de Vila Rosso, Zigomar Luiz Rosso e o promotor de evento, Silvano França saíram feridos, mas sobreviveram.

Os assaltantes fugiram levando dinheiro do baile, pertences das vítimas, inclusive duas pistolas do PM, uma calibre 40 da Brigada Militar. Guarnições da Brigada Militar realizaram uma grande caçada e prenderam Luís Paulo da Costa e Jeferson Boeno Monteiro. Eles estavam com parte do dinheiro roubado, celulares das vítimas e uma das armas. Um terceiro envolvido, Ademar Bagestan dos Santos morreu em confronto com a Brigada Militar.

Na decisão, a juíza Lisiane Marques Pires Sasso, afirma que não resta duvida da potencialidade lesiva do armamento utilizado para a execução do crime, onde uma pessoa morreu baleada e outros duas restaram feridas, tudo comprovado através dos autos do processo. Um quarto acusado, Felipe dos Santos da Costa não foi julgado, pois está foragido. Um quinto acusado foi absolvido por falta de provas. A decisão proferida no último dia 2  é de primeira instância e cabe recursos.

Radio  Uirapuru