AUMENTA SENSAÇÃO DE SEGURANÇA

145
Esforço concentrado da Brigada Militar estancou ação de criminosos
Esforço concentrado da Brigada Militar estancou ação de criminosos

POLICIAIS MILITARES NA PRAÇA

Os recentes registros de furtos e assaltos veiculados pela imprensa em Porto Alegre estão deixando a população insegura. Para combater a criminalidade, a 61ª Feira do Livro organizou, junto à Brigada Militar, estratégias para proporcionar segurança aos visitantes. O evento conta com policiais militares em pontos fixos e circulando internamente e no entorno. Devido à grande quantidade de visitantes, a Feira do Livro recebe atenção especial por parte da segurança pública. Diariamente, muitas pessoas se deslocam no Centro Histórico para suas atividades de rotina. A movimentação aumenta ao longo do evento. As ações da BM são articuladas para evitar qualquer tipo de crime com os visitantes, tanto na Feira quanto nos deslocamento até a Praça da Alfândega. Auxiliando nessa atuação, há um videomonitoramento através de câmeras da Prefeitura de Porto Alegre e da Secretaria de Segurança Pública do RS. O posto de observação das imagens fica na Alfândega. Por meio delas, é possível visualizar todos os locais, evitando que qualquer ocorrência passe despercebida. O comandante do 9º Batalhão de Polícia Militar (9º BPM), tenente-coronel Marcus Vinícius Gonçalves Oliveira, ressaltou que, aliada às ações de policiamento, a população deve ter um cuidado especial com seus pertences. “Se eu estiver cuidando da minha bolsa ou da minha carteira para que não tenham uma facilidade de acesso, vou reduzir a oportunidade para o cometimento do crime”, assinalou o comandante. Os expositores relatam que não há reclamações em relação à segurança. Os comerciantes do entorno contam que o evento traz mais policiamento e, assim, inibe possíveis assaltos. “Quando a Feira está em andamento é possível ver mais policiais e durante o ano isso não é comum”, contou Pâmela Garcia, 26 anos, vendedora há um ano de uma das lojas. “Ao longo do ano a segurança é precária, mas durante o evento aumenta bastante”, atestou o engraxate Paulo Lopes, de 71 anos, que trabalha há 25 anos na Praça da Alfândega. A estudante Rafaela Moutinho, 18 anos, frequentadora do Centro Histórico, notou a presença de PMs em locais que normalmente não há. A aposentada Carmem Lúcia Milan, de 72 anos, também elogiou o aumento da segurança. “Sou muito distraída e fico confortável com os policiais por aqui”, relatou. Segundo o tenente-coronel, as estratégias idealizadas para evitar a criminalidade estão tendo o resultado esperado, pois até o 11º dia do evento não havia ocorrido nenhuma ocorrência de vulto. Apenas três delitos foram registrados e solucionados pela BM. Duas delas envolviam posse de drogas. E a terceira, um caso de furto, no qual uma mulher esqueceu a bolsa exposta sobre os livros de uma das bancas e foi embora. Ao retornar, a bolsa havia sumido. Os postos fixos da corporação na Feira foram estrategicamente implantados nas esquinas das ruas Andradas e General Câmara, Andradas e Caldas Junior, e Sete de Setembro com a General Câmara, além da Pra- ç a d a Alfândega com a Sepúlveda. “Unindo os cuidados individuais das pessoas com a presença da segurança pública conseguimos evitar que os criminosos cometam infrações penais”, frisou. Marcus Vinícius ressaltou, ainda, que o 9º BPM adotou medidas contundentes para frear a violência.

Postos fixos do 9º BPM facilitaram atividade de observação
Postos fixos do 9º BPM facilitaram atividade de observação

CORREIO DO POVO